Festival Eurovisão 2017

No fim de semana passado aconteceu o festival de música Eurovisão, em Kiev (Ucrânia). A Ucrânia foi a polêmica vencedora do ano passado e que falei um pouco do festival aqui.
Este ano a história do festival foi bem diferente e pela positiva. O grande vencedor foi merecidamente Portugal, através de Salvador Sobral que cantou “Amar pelos dois“, uma composição de sua irmã, a também artista talentosa Luísa Sobral.
Salvador cantou apenas em língua portuguesa, sem recursos pirotécnicos, nem roupas chamativas, foi a sua interpretação com sentimento que prevaleceu e encantou o mundo.
Caetano Veloso, que estava no Luxemburgo para shows, não poupou elogios: “Salvador tem uma voz relaxada, afinada e extraordinariamente musical – e um estilo muito elegante e espontâneo.” Caetano ainda disse: “Minha pátria é a língua portuguesa.”
Foi a primeira vez que Portugal venceu o Eurovisão e com a maior pontuação de sempre. Assim, o Eurovisão 2018 será em Lisboa.
A única coisa que não gostei do Salvador foi o seu discurso na entrega do prêmio contra a música fast-food. Sinceramente, eu também não gosto da música fast-food, mas reconheço que há lugar para todos, e vez por outra até que é bom “consumir” um fast-food.
E a Bélgica? Bem, Portugal venceu com todas as glórias, mas eu também torcia pela Bélgica que finalizou em 4º lugar com a música “City Ligths”. Torcia não apenas porque é a minha casa, mas porque é um estilo de música que se aproxima mais do meu gosto pessoal.
A interpretação, na final, da jovem de 17 anos, Blanche (Ellie Delvaux) não foi menos brilhante que Salvador. A letra da música também é muito bonita e a sua melodia conquista. Em sua apresentação também não havia recursos pirotécnicos, nem roupas chamativas.
Interessante entre Portugal e Bélgica é que há versão em inglês da música de Portugal, e há também no YouTuBe uma versão da música belga cantada pelos irmãos portugueses, Luísa e Salvador.
Convido-os a conhecerem as músicas, abaixo. Vem comigo !

Portugal : Amar pelos dois

Bélgica: City ligths

Amar pelos dois, versão em inglês

Para concluir, eu notei a presença de bandeiras do Brasil bem próximas ao palco. O Brasil não participa do Eurovisão, mas tem crescido muito o interesse por este festival no Brasil. E quem sabe um dia, o Brasil não venha também a participar. Afinal, a Austrália não é um país europeu e participa. A participação da Austrália é justamente por ser um país onde por parte do público há um grande interesse que vem de alguns anos atrás. Quem sabe!?

Tot ziens! 🙂

 

 

 

 

Anúncios

Viajar é Arte de Viver

Guest Post : Viajar é Arte de Viver

Fiquei muito feliz em ser convidada pela Isadora. O blog Vai Sem Medo é uma inspiração para mim e um post seu sobre o livro A Arte de Viajar, do Alain de Botton mudou o meu olhar quando viajo.

Eu não viajo sozinha. Viajo com a minha família. E, apesar de algumas vezes discordarmos, de alguns conflitos entre as crianças, eu adoro estar com eles em viagens.

Mais o meu sentido de viajar mudou muito depois do livro. Eu escrevi um post sobre esta mudança em meu blog, O Miau do Leão. Resumindo, até cada pequeno passeio que faço, mesmo a pé ou com minha bicicleta, tornou-se uma viagem, um estado de viver. Eu sinto-me mais, eu observo mais, eu encaro mais, eu penso mais sobre quase tudo que está à volta.

Viajar em família requer uma preparação cuidadosa. Desde ver com muita antecedência se os passaportes estão válidos, ter atenção a uma apropriada hospedagem e estudar meios de locomoção no destino, bem como uma lista individual que mantenho atualizada com solicitações para cada tipo de destino.

A maior viagem da vida que fiz foi mesmo ter deixado o Brasil e construir família em Portugal. Depois de 14 anos a viver em Portugal, onde apesar de ser a mesma língua, não é fácil viver sendo brasileira, partimos para a grande aventura que tem sido viver na Bélgica flamenga. Agora já não estou só, somos, sobretudo, quatro grandes amigos nas viagens da vida. Aqui sinto que não sou “a brasileira”. Eu passei a ser apenas eu.

Quando viajamos sempre nos surpreende as referências que encontramos sobre o Brasil em outros países. De onde será que vem essa simpatia dos estrangeiros pelo nosso país? Foi surpreendente em Curaçao quando o senhor holandês, dono do restaurante, começou a falar comigo um pouco em português. Foi surpreendente quando em Skiathos ao ir a um bar deparo-me com uma grande bandeira do Brasil. Pensava ser ele brasileiro, mas era um grego apaixonado pelo Brasil, que nunca lá tinha ido.

Mais outra coisa que nos deixa feliz é de repente ouvir alguém falando em português. Ouvir o português, seja qual for a sua pronúncia, dá um sentimento de alívio, de estar em casa. É também, neste momento, que me dou conta do quanto é bela a minha língua materna.

Além dos meus 3 queridos companheiros de viagem, sempre levo um outro querido companheiro, um bom livro. E assim, posso aproveitar e fazer uma viagem dentro de outra viagem. E posso também viajar a países que talvez eu nunca poderei estar por barreiras que a nossa sociedade criou.

Já conheci muitos países. A minha melhor dica é que não esqueçam de viver. Viver cada detalhe, cada paisagem, cada sabor… Abra os braços, respire fundo e diga: Eu estou aqui, vida.
miau

Sobre a Silvana: Sou O Miau, mas meu nome verdadeiro é Silvana. Tenho dupla nacionalidade, brasileira e portuguesa. Vivo desde Agosto de 2014 com minha família na Bélgica. Tem sido uma grande aventura ! Minha formação académica é na área dos números, mas adoro tentar dominar as letras desafiantes. Já escrevi um livro sobre um tema em história da matemática e tenho um blog, O Miau do Leão, onde tento transmitir um pouco do que sinto desde que chegamos a este país, seja sobre viagens, livros, música,… Um novo capítulo em minha vida. Vem comigo!

Tot ziens! 😉