Comer em Londres – Parte IV

Desde a viagem a Budapeste, em agosto passado, que começamos a incluir o Hard Rock Cafe como uma das possibilidades de refeição. E, assim foi em Londres, após a visita ao Museu Madame Tussauds. Depois de 5hs na fila do museu, quando chegamos ao Hard Rock Cafe, nem acreditamos quando nos disseram que seriam cerca de 2 horas à espera por uma mesa livre!!! E, mais uma vez, algumas cenas de desistência, até que recebemos um pequeno dispositivo que daria o aviso para ocuparmos uma mesa. Enquanto, isso estivemos no terraço do restaurante a saborear vinho quente. Valia a pena esperar para entrar naquele que é o 1º Hard Rock Cafe, e que abriu as portas em 14 de Junho de 1971. Veja o site: http://www.hardrock.com/cafes/london/

Bem, eu não parava de olhar para a decoração com guitarras do Eric Clapton e Pete Townshend, grandes lendas do rock inglês. Nas várias telas passavam clips da minha juventude, como Deep Blue Something, Roy Orbison, o mestre David Bowie, Madness, o meu querido e louco The Cure, e tantas outras feras da música.. Eu não sabia se escolhia a comida ou se olhava para aquilo tudo. O que sei é que minha família fez o pedido de uma entrada e eu nem vi. 😊 Só quando chegou a entrada foi que vi que a escolha foi um Jumbo Combo para partilhar. Eu estava completamente cabeça no ar. Para os pratos principais pedimos 3 original legendary burger e 1 hickory-smoked ribs. Para sobremesas partilhamos um cheesecake made with oreo cookie pieces e um homemade apple cobbler.  Para beber pedimos mojitos e para as crianças uma limonada feita com morangos. O ambiente estava super lotado e estava tudo delicioso.

Vamos ver as fotos desta aventura gastronómica…

IMG_20171230_200812984.jpg
Jumbo combo
IMG_20171230_203633276.jpg
original legendary burger
IMG_20171230_203627386
hickory-smoked ribs
IMG_20171230_211959832.jpg
cheesecake made with oreo cookie pieces
IMG_20171230_211952201.jpg
homemade apple cobbler

E, eles que são para sempre com a minha música favorita….

 

Tot ziens! 😉

 

Anúncios

Comer em Londres – Parte III

Na noite do dia 1 saímos à vontade pelo bairro que ficamos hospedados, o Aldgate. A maioria dos restaurantes estavam fechados até que avistamos um que estava aberto num mercado e pareceu-nos pelo nome que havia uma variedade de sabores à escolha. O restaurante foi o Giraffe World Kitchen. A funcionária levou-nos para uma ampla mesa com uma decoração que nos fez sentir em casa. Bem, ao meu lado estavam vários livros de culinária de vários países, assim enquanto esperávamos pelos pedidos, pude ficar a folhear aqueles interessantes livros.

O restaurante é uma cadeia que está presente em vários pontos de Londres. Veja o site: https://www.giraffe.net/ A proposta deles é apresentar pratos com inspiração em várias cozinhas do mundo. Eu escolhi o turkish pide, enquanto a minha turma de casa preferiu o juicy burgers. Antes de vir os pratos principais escolhemos alguns cocktails com álcool e sem álcool. Eu só memorizei o nome dos meus drinks, o mango colada e o mojito. Bem, as imagens estão de acordo com o sabor dos drinks pedidos, uma delícia.

Vamos então as fotos! 😊

IMG_20180101_191127561.jpg

IMG_20180101_192241789.jpg
mango colada

IMG_20180101_200409323.jpg

IMG_20180101_200417627.jpg
cocktail sem álcool

IMG_20180101_200428123.jpg

IMG_20180101_192511055.jpg
turkish pide
IMG_20180101_192517815.jpg
juicy burgers

Tot ziens! 😉

Comer em Londres – Parte II

Quando chegamos à Londres já estávamos a meio da tarde. Ficamos com a sensação que se fazia noite ainda um pouco mais cedo do que na Bélgica. Pensamos em saborear a “street food” da cidade, mas estava frio para estas aventuras, e também próximo de onde estávamos havia pouca oferta. Então, fomos fazer algumas pesquisas na Internet sobre as ofertas de restaurantes na redondeza. Foi assim que surgiu a cozinha mexicana como opção, e aqui em casa somos muito apreciadores desta gastronomia. Estávamos perto, melhor ainda.

O restaurante DF Mexico (https://www.dfmexico.co.uk/) não tinha uma tradicional decoração mexicana, mas sim um espaço minimalista, que lembrava um armazém e uma presença bem jovem no ar. Aliás na porta de entrada estava escrito Modern Mexican Diner. O funcionamento do restaurante é diferente do que já conhecemos. Entregam-nos os cardápios, e somos nós a ir fazer o pedido junto ao caixa indicando o número da mesa, efetuando o pagamento. E, depois um funcionário vai nos entregar os pedidos. Quanto às bebidas pedimos uns sucos naturais que podiam ser repetidos à vontade. O lemony lemonade e o refill with horchata, lime or hibiscus juicy water foram os nossos preferidos. Pedimos para entrada Tortilla chips.,Pinto Beans. Cheese sauce. Sour cream. Avocado salsa. Tomato salsa. Mexican style siracha. Pink pickled onions e para prato principal a escolha foi tacos e burritos. As sobremesas foram the malty one e strawberry shorty. Não tirei foto das sobremesas não eram especiais para uma foto, eram industrializadas e assim uma pequena decepção. O restante do pedido estava impecável no sabor.

Vamos ver em fotos!

IMG_20171229_173521989_HDR.jpg
Entrada
IMG_20171229_174224483_HDR.jpg
Burrito
IMG_20171229_174229761_HDR.jpg
Taco
IMG_20171229_174233532.jpg
Taco

Tot ziens!;)

Comer em Londres – parte I

Já é um tema comum nos posts de viagem do Miau do Leão falar sobre a gastronomia do destino. Para falar sobre a gastronomia em Londres terei que dividir em alguns posts. Foram algumas experiências e agregar informações e fotos apenas num post ficaria muito cansativo para mim e para você que me segue.

Por incrível que pareça, não falarei de “fish and chips”, nem de “street food”. A questão é que os 5 dias não nos deixou ir por estes caminhos da gastronomia inglesa. De qualquer forma andamos a descobrir outros sabores divinos, e Londres é riquíssima em experiência gastronómica. Arrisco a dizer que o mundo todo deve estar lá representado.

Então, vou começar pelo dia 1 de janeiro de 2018. 😊

Depois da virada do ano com vistas para o London Eye e animação popular com dj, só podíamos ter chegado a meio da madrugada. Na manhã deste mesmo dia acordamos muito tarde e sem compromisso com o despertador. Nada de pânico por não encontrar onde comer. Já tínhamos a reserva feita antes de partir da Bélgica. Assim, fizemos uma espécie de “brunch” neste dia especial.

A reserva foi para o restaurante Duck & Waffle, na linda Heron Tower com vista panorâmica sobre Londres. Gente, visite o site deste restaurante e sinta um pouco de nossa experiência: https://duckandwaffle.com/

Chegamos com alguma antecedência no horário reservado para desfrutar mais tempo da vista panorâmica nas dependências do bar do restaurante. Então, pedimos dois cocktails com álcool e dois sem álcool, que vieram acompanhados com água mineral sem gás.

Fomos chamados para ocupar a nossa mesa circular, sempre com acompanhamento e atendimento 5 estrelas. O restaurante é de cozinha britânica, mas com influência de outras cozinhas europeias. Foi nos explicado toda a ementa que seria servida, incluindo as bebidas. Foi servida champagne e água com gás. Em seguida foram servidas algumas entradas, que eram alguns snacks deliciosos (house bread, spiced butter & sea salt; foie gras crème brûlée; crispy polenta; bacon wrapped dates). Para o prato principal foi servido duck & waffle. Quanto a sobremesa não a encontro no menu, mas foi waffle com gelado de baunilha, fatias de maçã cozida e caramelo.

Sim, foi especial! Valeu a pena pela riqueza de sabores, ambiente do restaurante, o atendimento,  a vista panorâmica, e principalmente, estarmos juntos com saúde num lugar especial e num dia especial.

Vem comigo ver as fotos! 😊

IMG_20180101_140816822_HDR.jpg
A rua do restaurante Duck & Waffle com a Heron Tower ao fundo
IMG_20180101_151506886.jpg
Entradas
IMG_20180101_152737588
Entradas
IMG_20180101_154858212.jpg
Prato principal que leva o nome do restaurante
IMG_20180101_160738330.jpg
Sobremesa

IMG_20180101_142117027.jpg

IMG_20180101_145748820_HDR.jpg

IMG_20180101_161452321.jpg

IMG_20180101_161505674.jpg

IMG_20180101_163606984.jpg

Tot ziens! 😉

 

Bolsas para estudar em Espanha

Estudante brasileira explica como conseguir uma bolsa para estudar na Fundación Carolina, em Espanha.

Acompanha a entrevista aqui : https://www.estudarfora.org.br/conseguir-uma-bolsa-da-fundacao-carolina/?utm_source=PortalEF&utm_medium=PushEF

 

Aconselho, após leitura da entrevista, ir diretamente para o site da Fundación Carolina, pois as inscrições para as bolsas (becas) já estão abertas.

E, neste site encontrarás todas as informações: https://www.fundacioncarolina.es/

Tot ziens! 🙂

 

Baú Aberto 11

O Flexi bio gas!

Eu sempre fui um bocado crítica da atuação da ONU. Isso porque erroneamente, eu via a atuação da ONU apenas em conflitos de guerra, e onde sua presença fica muito limitada de acordo com o jogo das grandes potências.

Minha visão mudou depois que António Guterres, português, tornou-se secretário geral da ONU. Passei a conhecer as diversas áreas, projetos e países que contam com a presença da ONU. E, vocês nem imaginam o tamanho da atuação da ONU, é enorme! Ele que veio da entidade que cuida dos refugiados, admirado por Angelina Jolie, está tentando dar uma nova presença da ONU, e tentando ser menos manipulada pelas grandes potências, mesmo que ameacem cortar fundos de ajuda para o organismo.

Então, vi este interessante vídeo sobre um projeto da ONU com o governo de Ruanda. É o FLEXI BIO-GAS que transforma esterco de vaca em gás de cozinha, para promover a utilização de fontes de energia limpas e renováveis.

Assim, vim compartilhar com vocês o vídeo abaixo:

Tot ziens! 🙂

Lombinho de porco com abacaxi

Enquanto não publico a continuação sobre a viagem à Londres, vamos com mais uma deliciosa receita. Ah, o próximo post sobre Londres será sobre comida.

Eu não tenho problemas em comer porco. Claro, é preciso ter o cuidado de cozinhá-la bem, e escolher as peças mais magras do porco. Não discuto fundamentos religiosos, por favor. :)))

500g de lombinho de porco limpo
2 c.s de polpa de tomate
1 c.de sobremesa de amido de milho
1,5 dl de água
5 c.s de vinagre
3 c.s de molho de soja
3 c.s de açúcar
1 cebola
1 pimento (Na receita que vi usaram o verde. Eu usei o vermelho)
5 c.s de óleo de coco
1 lata pequena de abacaxi
Sal e pimenta acabada de moer
1 ramo de cebolinho (Não usei)
Corte o lombinho em tiras finas e tempere com sal e pimenta acabada de moer;

Corte o pimento ao meio e retire-lhe as pevides e as peles brancas;

Descasque também a cebola e corte-a em gomos;

Leve ao lume um tacho com água e o açúcar e deixe ferver até o açúcar ficar dissolvido;

Adicione o molho de tomate e o molho de soja e deixe ferver;

Dissolva o amido de milho no vinagre e junte à mistura do tacho. Mexa bem até ficar um molho cremoso;

Verifique o sal;

Leve ao lume uma frigideira com metade do óleo de coco e deixe aquecer;

Adicione as tiras de lombinho e deixe-as cozinhar até ficarem douradinhas;

Depois, retire-as para um prato e junte o resto do óleo à frigideira;

Deixe aquecer e adicione a cebola, o pimento e deixe cozinhar durante três minutos;

Junte o abacaxi cortado em pequenos pedaços e misture.

Deixe cozinhar durante dois minutos e adicione a carne, o molho do tacho e deixe ferver;

Sirva polvilhado com cebolinho picado e acompanhe com arroz branco. (Fiz basmati)

porco.jpg

Aprovado pelos miaus daqui de  casa! 🙂

 

Tot ziens! 😉