Baú Aberto 18 – férias

Chegou aquele momento do ano que é para recarregar a bateria com força para enfrentar o Outono e Inverno. Assim, o blog O Miau do Leão vai parar por algumas semanas. Não esquecerei de vocês! Responderei a comentários e farei comentários, sempre que possível. E andarei, e tirarei fotos, e farei filmes, para depois contar aqui as minhas aventuras, as minhas descobertas, o meu olhar, os meus sentimentos, … Ok?;)

Hum…curiosos para onde ? 😉 Vou deixar a dica em forma de música.

Nada melhor que uma boa música para nos abraçar,  … para nos curar. Assim é o efeito que essa música cantada pelo inesquecível Renato Russo faz em mim. Levanta, luta, a vida espera-te! Enfrenta-a! É a força da vida!

O vídeo é legendado. Por favor, ouça-a.

 

Muitos bons dias para todos vocês! Um abraço forte em cada um! [ ]

Até os posts com cenas das aventuras de férias! ;)*

Anúncios

Geike Arnaert

Faz tempo que não escrevo para esta categoria do Blog, Artistas. Por ser uma das minhas categorias preferidas, só escrevo quando tenho inspiração para falar de algo interessante.

É assim foi o que aconteceu. Faz tempo que eu queria saber sobre Geike Arnaert. Quem é Geike Arnaert ? É uma cantora nascida na região flamenga da Bélgica (38 anos), mas que a conheço como a melhor vocalista que a banda Hooverphonic já teve.

download.jpg

Ela iniciou no Hooverphonic quando ainda tinha 17 anos, assim como a atual vocalista do grupo. Geike ficou na banda pouco mais de 10 anos. As músicas que mais gosto desta banda são todas cantada por ela. Ela deixou a banda para seguir carreira solo. A jovem começou a ter opiniões musicais diferentes dos outros 2 integrantes do grupo, mas também dizem que aqueles que ela considerava como irmãos passaram a vê-la como mais do que uma irmã, e o convívio entre as viagens começou a ficar delicado.

Dois anos após deixar a banda, ela trabalhou na trilha sonora de um filme, Breath. Em 2011 lançou seu álbum solo “For The Beauty Of Confusion”. Depois deste álbum, Geike é vista cantando algumas músicas com outros artistas.

Tudo isso para dizer que, finalmente, tive notícias da Geike Arnaert. Ela canta uma música com um grupo holandês chamado BlØf, e é um grande sucesso aqui na Bélgica. É sempre interessante deixar a rivalidade, que há entre flamengos da Bélgica e holandeses para apreciar bons momentos de ambos.

A música chama-se Zoutelande.  É o nome de uma aldeia na costa holandesa, não muito longe da praia do meu último post, Groende Strand. A música é cantada em holandês, mas observem a diferença da pronúncia holandesa que puxa na letra R e a pronúncia da cantora belga. Eles cantam sobre recordações de férias na praia em Zoutelande. O refrão da música foi repetido várias vezes pela seleção belga quando foi recepcionada pelo povo na praça central de Bruxelas (Grote Markt) pelo seu 3º lugar no Mundial. E diz: “Ik ben blij dat je hier bent”Eu estou contente que você está aqui. Tão simples e tão bonito, tão bom de ouvir. Não é? 😉

Segue o vídeo da música Zoutelande que está no top parade, e o vídeo de 2 músicas que mais gosto do Hooverphonic ainda com a Geike, que para mim foi a melhor vocalista até hoje da banda. Se você gostou das músicas, deixa um comentário. Obrigada! 🙂

Até um próximo post! 😉

Uma praia na Holanda

O dia seguinte ao passeio (domingo), em Durbuy, fez-se também um lindo dia com expectativa de 30ºC. Olhamos um para o outro: ficar em casa? Nem pensar! É verão! 🙂

Decidimos ir à praia. A mais viável e próxima para um lindo domingo era na Holanda. Seguimos em direção à praia de Groede Strand, a 1h e 10 min de casa.

A Holanda é um país ao qual gosto muito de ir. Eles são muito bons em engenharia civil. Estradas que mais parecem um tapete e bem sinalizadas. Quase perfeitas vias para ciclismo até à praia. Áreas que foram drenadas e que fizeram surgir novas terras para plantio e para viver. Utilização de energia limpa.

A urbanização não chega próximo à praia. Muitas pessoas utilizam a bicicleta para curtir a praia. Por isso há estacionamentos para carros (pagos) e estacionamentos gratuitos para bicicleta.

Há uma proteção em areia e plantas, que ultrapassamos através de uma escadaria, em seguida encontramos uma pista de bicicleta e só depois chegamos à praia.

IMG_20180715_132518538.jpg

IMG_20180715_132820118.jpg

Logo à entrada há um quadro com todas as informações do tempo, mar e qualidade da água. Ao lado uma casa dos salva-vidas e mais à frente um restaurante. No areal há um parque para crianças e várias casinhas que imagino que sejam alugadas.Os salva vidas eram bem atuantes com moto náutica. O sorvete chega num pequeno carro. No mar estavam alguns barcos à vela, e também era passagem de vários navios de mercadorias.

IMG_20180715_181735516.jpg

IMG_20180715_165412452.jpg

IMG_20180715_154730937.jpg

A água estava na temperatura ideal para minha grande surpresa que imaginava estar bem fria. A tonalidade da água lembrou-me as praias do Norte de Pernambuco. Foi o meu primeiro mergulho no mar do Norte. E voltaremos!

IMG_20180715_175833240_BURST000_COVER_TOP.jpg

Conheça esta praia holandesa em fotos e filme que fiz. Vem comigo! Espero que gostem. 😉

😉

A pequena Maravilha

Eu fiz um post sobre Durbuy em 2015. Volto a fazer mais dois posts este ano.

Durbuy é conhecida na Bélgica como “la petite merveille”, sim uma pequena maravilha que não me importa visitá-la mais vezes.

No post deste ano sobre Durbuy trago mais imagens diferentes de 2015 e um filme que fiz pela primeira vez sobre esta cidade. Estavam 30ºC! E este é o resultado que consegui após fazer 8km de caiaque sobre o rio Ourthe.

IMG_20180714_111137585.jpg
Descendo o rio Ourthe

 

IMG_20180714_144948363.jpg
Jardim em Durbuy

IMG_20180714_150309750_HDR.jpg

IMG_20180714_150425008.jpg

IMG_20180714_151158721_HDR-EFFECTS.jpg

Até próximas aventuras! 😉

Descer o rio de caiaque

Ontem fomos pegar o filho mais novo em seu acampamento de férias em Durbuy, Bélgica. Aproveitamos o maravilhoso dia de verão europeu com muita seca para descer pela segunda vez o rio Ourthe de caiaque.

Ano passado escrevi aqui como foi. Desta vez fiz um filme.

IMG_20180714_120603213_HDR.jpg

É algo revigorante estar em contato com a natureza.

Próximo post com mais Durbuy!

Baú Aberto 16

Faz algum tempo que queria falar no tema deste post: voluntariado. Falei no post anterior sobre o grupo de voluntários do Bonangana.

Faz um ano que me tornei voluntária. Há na cidade que vivo, um site com várias oportunidades. Eu optei por um voluntariado que não fosse necessário o perfeito conhecimento do holandês. Havia pelo menos 3 possibilidades.

Eu não disponho de muitas horas livres. Então, optei por algo que unisse várias características do meu agrado. Eu gosto de ajudar em ações pela natureza, eu preciso fazer exercício físico, eu preciso ter mais contato com a língua holandesa, e eu dou preferência em algo mais individual com horário variado sem compromisso de tal dia, tal hora. 😊

Foi assim que restou uma opção. Ser voluntária para manter a rua limpa. Participo da ação Mooimakers (fazer bonito), cujo lema é: “pequena ação, grande resultado”. Assim, eu faço uma espécie de “plogging”. Eu não corro, mas ando de forma rápida, e em movimento vou recolhendo o lixo. Não é uma total novidade para mim, pois é algo que ainda no Brasil fazia na praia que frequentava.

IMG_20180713_090622556.jpg

Para começar apresentei-me no escritório da empresa que recolhe o lixo. Notei que foi uma certa surpresa por eu ser uma estrangeira interessada neste voluntariado. A senhora responsável disse-me que estuda espanhol e também foi um momento para ela praticar o idioma. Fizeram-me um seguro, e deram-me todo o equipamento. Ao longo do ano recebi um novo equipamento, que raramente um dos meus filhos usa-o comigo. E eu também, próximo ao Natal do ano passado, recebi um cartão de agradecimento pela minha prestação.

E assim, passei a dar 2 horas por semana do meu tempo para a sociedade, mas sobretudo para a natureza. É um momento da semana muito gratificante. Não há um dia que eu não receba um agradecimento de pessoas desconhecidas. Eu recebo um simples bom dia sorridente, ou um nítido e repetido “muito obrigado”, ou uma buzinada acompanhada de um agradecimento com o polegar, e até mesmo um “senhora, bravo!” já recebi, e fiquei emocionada. Alguns param para conversar comigo, basta eu diminuir a minha velocidade que isso acontece, se houver alguém por perto. E é o momento de adaptar o ouvido aos mais diversos dialetos que há neste país, e também melhorar a minha pronúncia. São tantos dialetos, que já houve belga que me disse que nem eles entendem, às vezes. 😊

No fim do ano passado houve uma reunião e para minha surpresa eram muitos voluntários. Na sala estavam no mínimo cerca de 50 pessoas, alguns reformados, outros que ainda trabalham e donas de casa. Foi preparado um agradável lanche e estivemos reunidos para dar a conhecer quantos somos e nossas áreas de atuação, bem como dar sugestões e combinar, por exemplo, a forma de recolha do lixo em nossa casa. Eu, por exemplo, comunico por e-mail quantos sacos tenho e combino de deixá-los na frente de casa todas as quintas-feiras. Aproveito também para solicitar novos sacos. Eu optei por usar 2 sacos em cada saída, um azul para latas e plásticos, e o branco para lixo diverso. Há quem prefira sair só com um e em casa fazer a separação.

Resolvi contar a minha história, finalmente, porque há tanto por onde fazer, por onde ajudar. Eu encontro mais essa aceitação pelo voluntariado nos países do Norte da Europa. Não há muito isso de esperar pelo Governo, ou de dizer que já pago imposto para que façam. Sim, eu ouvi isso de um colega do Afeganistão que tem trabalho. Eu não me importo, eu não penso assim. Eu saio de casa durante as 4 estações do ano a pensar que estou fazendo bem para mim e para a natureza. Eu não tenho vergonha! Penso nas aves, quando eu apanho uma goma de mascar no chão, ou um resto de sanduíche ainda embrulhado com papel.

É também interessante observar o comportamento das pessoas. Por exemplo, nas semanas de bom tempo encontro sempre muitas pontas de cigarro, mais latas de bebida, embalagem de chips, etc. Quando os dias estão mais frios estes itens diminuem brutalmente, e dão lugar às toalhitas, aos papéis para assoar o nariz, copos de café, etc.

Recentemente, eu vi alguns sites no Brasil também com vagas para voluntários. Em Portugal havia o “Banco de Tempo” em que as pessoas trocavam ações, por exemplo, a pessoa poderia ensinar crochê, e a outra pessoa poderia ensinar a tocar um instrumento. Havia cheques simbólicos para os serviços prestados. Você pode conhecer mais em: http://www.bancodetempo.net/pt/

É isso! Espero que tenham gostado de conhecer este lado do Miau do Leão. E espero que a partir de setembro, quando começa o próximo ano letivo, eu consiga manter estas horas disponíveis durante a semana.

Até o próximo post! 😉