Uma tradição portuguesa

Uma tradição portuguesa, talvez até Ibérica, mas eu tenho que torcer para minha sardinha. LoL

A queima do chouriço não é saudável, bem sei. E, logo para mim, que tento ser vegetariana, mas parece que há uma conspiração no ar. Rsrs

Apenas, um raro momento em família para convidados, que resolvi trazer para os queridos seguidores. 😉

Até ao próximo post! 😉

Uma praia na Holanda II

Aproveitando a onda de calor que se faz na Europa fui à praia na Holanda durante esta semana. Sendo que desta vez para o lado direito da praia que falei neste post (aqui).

Você, talvez, se pergunte o por quê de ir à praia na Holanda e não na Bélgica.

Algumas razões:

– a cidade que vivo tem como “quintal” a Holanda.
– As praias belgas acessíveis, infelizmente, os prédios chegam até a costa, e as praias holandesas não. É bem verdade que apesar dos prédios tão próximos, o trânsito vai até uma quasra atŕas, mais ou menos.
– Para chegar numa praia belga enfrentamos mais tráfego do que para uma praia holandesa.
– Estcionamento pago mais organizado e com mais vagas na Holanda.

Vamos ver mais um filme da praia Groede Strand (mais à Norte), em BreskensHolanda.

Até ao próximo post! 😉

Vinte e Zinco, o livro

download

Continuando a seguir as pegadas do Mia Couto, e tentando esquecer que já devia ter seguido há muito tempo, mas como dizem: melhor tarde do que nunca.

Desta vez, o romance Vinte e Zinco, que traz a recordação tão significativa do número 25 para aquele que se sente português. 25 é sinônimo de liberdade! 

Os capítulos têm como título as datas que antecedem e precedem a data da Revolução dos Cravos, em território africano, em Moçambique.

Nele conhecemos a atuação da polícia – o PIDE -, a presença feminina (portuguesa e moçambicana), a relação mãe-filho, que ainda é muito forte na educação portuguesa (minha opinião por observações), pequenas rebeldias contra o sistema, a presença da igreja católica, um cego que tudo vê, fantasmas do colonialismo,…

Um livro cuja leitura decorre com facilidade, mas que se sente a presença de metáforas que cairiam bem a uma pesquisa mais aprofundada sobre as suas origens e inspirações. No fim do livro, o autor tem o cuidado de definir algumas palavras da cultura africana. Esta cultura que para nós ainda é um tanto misteriosa.

Seguirei a ler Mia Couto, com certeza.

Seguem alguns trechos:
“A vida é infinita. Mas nada é tão enorme quanto a morte.”

“Não me venha com essas ideias de política. A política é desses incêndios que se acendem na casa do outro e quem arde é a nossa casa.”

“Quem não tem viagem é escolhido pela loucura.”

“Já não carecemos de igreja: o mundo inteiro se converteu numa imensa igreja. De joelhos,arrebanhados até ao sonho, aceitamos a qualquer preço isso a que chamam de redenção.”

“A guerra é vaidosa: se ostenta mesmo nos lugares onde se diz ser a exclusiva moradia da paz.”

“Tudo é terminável, até o futuro.”

 

Até ao próximo post! 😉

Caminhar no bosque

Fizemos o nosso segundo percurso usando o aplicativo Wikiloc. Optamos, mais uma vez, por uma terrinha próxima da cidade que vivemos. O primeiro percurso foi em Waasmunster. Este segundo foi em Stekene.

IMG_20190722_133711435.jpg
Stropersbos

O percurso foi de 10 km. Começamos às 11:40hs e terminamos às 15hs. Paramos várias vezes para descansar, tirar fotos e filmar. O aplicativo desconta esses momentos que paramos, e dá-nos o tempo real de caminhada.

IMG_20190722_124910490

Escolhemos uma grande área verde chamada Stropersbos, em Stekene. Um percurso com muita sombra para um dia que chegou aos 29°C. Passamos por pequenas pontes, vimos um veado jovem, passamos por um milharal e por uma simpática capela chamada Trompkapel.

IMG_20190722_140541666_HDR.jpg

Vamos ver algumas cenas em vídeo…

 

Até ao próximo post! 😉

Gastronomia alemã durante o passeio

Chegou ao fim o passeio de 3 dias na Alemanha. Chegou também a vez de falar um pouco sobre o que provei em se tratando de culinária durante o passeio.

Faz uns 8 anos que não ia à Alemanha. Algumas coisas da gastronomia já conhecia, mas algumas não havia observado antes e outras só comprovaram o que já conhecia.

Não me recordava do gosto dos alemães por sorvete, nem de como capricham na apresentação dos mesmos. Segue algumas imagens dos gelados, que saboreamos numa sorveteria em Engers.

IMG_20190629_214331755.jpg

IMG_20190630_215915270.jpg

IMG_20190630_215950427.jpg
Em Koblenz almoçámos no restaurante da Fortaleza. Sentamos na esplanada. Foi neste restaurante que conheci o refrigerante Mezzo, que seria uma mistura de Coca Cola e Fanta. Eu fui na cerveja alemã que é muito boa, mas ainda prefiro as cervejas belgas produzidas pelos frades. Nesta refeição, a minha família escolheu o tradicional schnitzel. Eu fui pela culinária italiana que é muito bem confecionada na Alemanha, pelas experiências que tive. Então, fui de risoto, até porque nem todos gostam em casa, assim pude me deliciar com um prato raro de ser feito em casa.

IMG_20190629_150506537.jpg

IMG_20190629_152118821.jpg

IMG_20190629_152124511.jpg

 

Em Sankt Goar comemos no interior do restaurante que é um dos cenários da banda desenhada Yoko Tsuno, do belga Roger Leloup, como mostrei tudo aqui.
Todos escolheram schnitzel. E para sobremesa pedimos um strudel de maçã com gelado de baunilha e chantilly.

IMG_20190630_123638756.jpg

IMG_20190630_134200742.jpg

Em Cochem chegamos tarde. Alguns já estavam para fechar como o restaurante no topo do Pinnenberg, ou mesmo no centro da cidade quando tentamos saborear gelados numa sorveteria italiana. Assim, decidimos por jantar no centro de Nieuwde, em um restaurante cubano que fechava bem tarde. Estava saboroso, mas não se pode dizer que era uma autêntica comida cubana. Eu pedi um mojito com álcool para acompanhar, que mais parecia uma fraca limonada sem álcool.

IMG_20190630_192132059.jpg

IMG_20190630_192136536.jpg

Em Bernkastel-Kues, o almoço foi nota máxima. Perfeito! Almoçamos no restaurante Alt Bernkastel. Escolhemos o mesmo prato, “schnitzel mit camembert” acompanhado do vinho alemão Riesling Brend Kilburg (2016). O restaurante ostenta o prêmio “Haus de Besten Schoppen 2018/2019“. Perfeito no sabor dos pratos, apresentação e simpatia no atendimento. De sobremesa pedimos creme brûlée com café expresso.

image(1).jpg

image.jpg

IMG_20190701_140535825_HDR.jpg

Em Trier apenas bebemos. No meu caso, uma cerveja alemã na caneca grande. Também aproveitei para comprar para o dia seguinte, e partimos com pressa para Bélgica.

Além dessas experiências citadas, provamos o hot dog alemão. E que delícia!

O resultado final quanto à gastronomia foi muito positivo.

Até ao próximo post! 😉

Na terra de Karl Marx

E a última cidade foi Trier. Será que com o título deste post, e por ter tirado uma foto junto a estátua de Karl Marx, e ainda mais vestida com uma blusa vermelha, vão me chamar de comunista, esquerdista,… ? 😂

Brincadeiras à parte, vamos ao passeio!
Foi uma visita relâmpago a esta cidade com traços da cultura romana e com um filho da terra muito famoso.

O primeiro ponto turístico foi a estátua de Karl Marx. Era suposto também visitar a casa em que nasceu, e que atualmente é um museu, mas infelizmente, não havia tempo disponível para absorver mais conhecimento. Foi mesmo uma pena.

IMG_20190701_155636528.jpg

Bem próximo a estátua famosa está um marco importante da civilização romana nesta cidade, a Porta Nigra.

IMG_20190701_160415854_HDR.jpg

Em seguida, fomos conhecer aquela que dizem ser uma das mais belas praças do país, Hauptmarkt.

IMG_20190701_161654751_HDR.jpg

E foi tudo, porque como escrevi no post anterior, já não havia muito tempo disponível, e no dia seguinte um compromisso logo cedo. A nossa pressa foi tanta que torci o meu pé esquerdo. Logo o esquerdo! Maldição! 😂 Só comigo mesmo. 😂 E fui ao compromisso no dia seguinte mancando e com analgésico.

Vamos ver o filme desta cidade e espero por vocês no último post deste passeio, que será sobre gastronomia. 🙂

A encantadora Bernkastel-Kues

E chegou o último dia do passeio de 3 dias na vizinha Alemanha. Descemos para Bernkastel-Kues às margens do rio Mosela 

Quando fiz o roteiro para estes 3 dias, escrevi o nome de várias terrinhas para visitar, mas caso não houvesse disponibilidade de tempo seria apenas esta cidadezinha para se visitar, e seguiríamos em direção a Trier, subindo para Bélgica por Luxemburgo. E, realmente, foi o que aconteceu. O tempo não seria suficiente, e tínhamos compromisso muito cedo no dia seguinte.

Estacionamos o carro às margens do Mosela num grande estacionamento pago. Foi descer do carro, e logo sentir o encanto de Bernkastel-Kues. Avistamos logo o Burg Landshut, ruínas do castelo.

IMG_20190701_122012754_HDR.jpg

Fomos em direção ao centro desta cidadezinha, e simplesmente, ficamos como crianças com tanta beleza. Parecia um conto de fadas. Ficamos perdidos no tempo a tirar muitas fotos pessoais em seu Marktplatz.

IMG_20190701_120642771_HDR.jpg

IMG_20190701_120648668_BURST000_COVER_TOP

IMG_20190701_122633429_HDR

Mais algumas passadas e avistamos a casa estreita Spitzhäuschen. Que gracinha!

IMG_20190701_121259702_HDR.jpg

Em seguida, sem mais nenhum ponto definido a explorar, começamos simplesmente a andar por aquelas simpáticas ruas com seu comércio igualmente admirável.

IMG_20190701_123022221_HDR.jpg

IMG_20190701_123456396_HDR.jpg

IMG_20190701_123739573_HDR.jpg

Estávamos na “casa” do saboroso vinho branco Riesling, o orgulho dos produtores da região.

Confiram o vídeo para conhecer este encanto de cidade alemã:

Até ao próximo post!

Nas alturas em Cochem

No mesmo dia, após visitar Sankt Goarshauzen e Sankt Goar, partimos em direção a outra cidade alemã às margens do rio Mosela, Cochem. Quando lá chegamos eram 16 horas de um domingo, e com tantas paisagens fantásticas, acabamos por esquecer que o comércio e atividades fecham cedo na Alemanha.

Estacionamos logo ao lado do centro turístico e nos dirigimos até ao Mosel-Wein-Express, um trenzinho que circula pelos principais pontos turísticos da cidade, mas tinha acabado de concluir a sua última viagem do dia.

Logo ao lado da estação do trenzinho está o pequeno prédio da antiga ponte Mosela que foi decorada em 1982 pelo artista gráfico Karl Fritz Nicolay com um mosaico da história da cidade (pedigree de Cochem).

IMG_20190630_163036603_HDR.jpg
Treppenhaus

Seguimos caminhando pela praça Josef-Steib-Platz passando pela Enderttor, um portão construído em 1332 como passagem Norte da muralha.

IMG_20190630_163753255_HDR.jpg
Enderttor

Quando chegamos ao teleférico só faltava  uma hora (18 hs) para encerrar esta atividade. Eu perguntei ao senhor se as cadeiras não paravam para poder sentar. E ele disse um “não” muito divertido. O teleférico leva ao topo do monte Pinnenberg onde está um miradouro chamado Pinnenkreuz. Você também pode subir a pé, ou escolher apenas subir e/ou descer através do teleférico.

IMG_20190630_165206512_HDR.jpg
Pinnenberg
IMG_20190630_170240414
Pinnenkreuz

Lá no topo, a vista é deslumbrante! E, vê-se muito bem o belo castelo Reischsburg numa colina a cerca de 100m do rio Mosela. Esse imponente castelo é conhecido como o “Neuschwanstein do Mosela” por sua beleza. Estive visitando o Neuschwanstein há oito anos atrás. E, confirmo alguma semelhança exterior quanto à beleza.

IMG_20190630_170753474.jpg
Reischsburg

Vamos ver o filme?

Até ao próximo post!

Dentro de uma banda desenhada

Esperava-se cerca de 37°C para esse dia. Acordámos cedo para pegar a estrada ainda em temperatura suportável.

Os destinos planejados foram Sankt Goarshauzen e Sankt Goar. Subimos e descemos estradas, o gps esteve algum tempo confuso, vários trechos de estrada com desvios, porque parecia que todas as estradas naquele domingo estavam destinadas para as bicicletas. Em um destes trechos, enquanto estávamos estudando uma nova rota para chegar a Sankt Goarshauzen, avistamos um castelo. A curiosidade fez-nos parar e pesquisar na Internet. Era o Burg Maus (castelo do rato)! 

IMG_20190630_100414526_HDR.jpg
Burg Maus

Agora já posso contar para vocês qual a ideia de rodar muito e insistir em chegar até Sankt Goarshauzen: Estávamos à procura do Burg Katz (castelo do gato). E qual o interesse por este castelo?

É que o Burg Katz foi um dos cenários frequentes na banda desenhada (história em quadrinhos) mais conhecida do roteirista e desenhista belga Roger Leloup, atualmente com 83 anos de idade, chamada Yoko Tsuno. “The Devil’s Organ” (1973) estava escondido neste castelo para matar a amiga de Yoko Tsuno, a Ingrid Halberg.

FB_IMG_1563007615655.jpg
Burg Katz

FB_IMG_1562092243921.jpg

Este castelo, atualmente, é propriedade privada, e não podemos nos aproximar muito. O mais próximo seria este miradouro que revelou maravilhosas imagens. O castelo do gato foi bombardeado por Napoleão em 1805, e reconstruído anos mais tarde.

Em seguida, descemos de carro até ao centro de Sankt Goarshauzen, que estava quase que completamente encerrado para veículos motorizados. Estacionamos próximo, e seguimos à pé até a outra margem do rio Reno onde fica a cidadezinha de Sankt Goar com mais um cenário da banda desenhada. Este outro cenário é hoje o restaurante Gasthaus Zur Krone Plaidt. E onde almoçamos neste dia! Só que a história do almoço ficará para outro post, o da gastronomia durante este passeio de fim de semana na Alemanha

IMG_20190630_113611273.jpg
Travessia entre Sankt Goarshauzen e Sankt Goar
IMG_20190630_114514986.jpg
Sankt Goarshauzen e Burg Katz
IMG_20190630_113621944.jpg
Sankt Goar
FB_IMG_1562092640474.jpg
Gasthaus Zur Krone Plaidt

FB_IMG_1562092633571.jpg

Vem comigo ver o simples filme que fiz para vocês!

Até ao próximo post! 😉

Encontro com rios em Koblenz

A nossa aventura de fim de semana prolongado começou por Koblenz, na região da Renânia-Palatinado (Rheinlan-Pfalz).

O primeiro destino foi Deutsches Eck (esquina alemã) onde está o ponto de encontro dos rios Mosela e Reno, que deu origem ao nome da cidade em alemão, já que os romanos chamaram o local de “Confluentes”.

IMG_20190629_105732515_BURST000_COVER_TOP.jpg

No dia anterior houve uma grande festa no local, e quando chegamos estava tudo a ser retirado com muita organização. O cenário à volta era ainda composto por turistas, e mais alguns poucos personagens exóticos. Passei um bom tempo a apreciar as diferentes tonalidades dos dois rios com as suas diferentes “personalidades”, o calmo Mosela e o agitado Reno.

IMG_20190629_105223118_BURST000_COVER_TOP

Olhei para trás da confluência e estava a imponente estátua de Guilherme I. Não tenho relevante conhecimento de história geral, mas sei o suficiente que ele foi o responsável pela unificação da Alemanha. E o monumento, por trás da estátua, tem vários escudos das regiões alemães como testemunho. Koblenz é muito mais que este fato histórico, o meu olhar presenciou uma riqueza cultural surpreendente, e incapaz de ser absorvida por completo em um único dia de passeio.

IMG_20190629_104243696.jpg

Visitar Koblenz foi prático. Deixamos o carro num dos estacionamentos pagos ao longo do Mosela, e a partir dali visitamos muitos pontos turísticos. O calor que se fazia em torno de 32° C, não nos deixou ir além dos pontos turísticos tradicionais, mas, mesmo assim,  fizemos uma loucura que contarei logo a seguir, e que não é nada atribuída à turistas comuns.

Então, após visitar a Esquina Alemã, seguimos pela bela margem do Reno, passando pelo teleférico (Talstation), que leva ao topo da Fortaleza Festung Ehrenbreitstein. Foi quando decidimos ir até à Fortaleza com o carro, mas antes passeamos pelo refrescante jardim da Basílica de São Castor (Kastorkirche) com suas fontes 

IMG_20190629_112253516_HDR.jpg

Seguimos em direção à Fortaleza, e estacionamos num parking ao longo da estrada que é acesso. Do outro lado avistamos um prédio em vidro, mas o calor não nos deixava com muita disposição para pensar. Naquele ímpeto, decidimos ir à pé pela pequena floresta na encosta da Fortaleza. Compramos líquidos no supermercado que estava na estrada, e força nas pernas! Éramos os únicos a fazer esta caminhada. Esses momentos diferentes de um tradicional turista é que nos une mais, e nos faz entrar em novas portas de conhecimento. Sentamos em um dos bancos pelo caminho e avistamos duas caixas no tronco de árvores. O que seriam aquelas caixas ? Qual o seu objetivo? Cada um que dava o seu palpite, mas como não houve consenso, resolvemos consultar o Google. Eis que descobrimos se tratar de uma “bat house” (casa de morcego), e que são importantes para o ecossistema, pois eles podem se proteger, principalmente durante o verão, especialmente os bebés (ês, ao gosto) morcegos e suas mães.

IMG_20190629_135613781_HDR.jpg

Chegamos à Fortaleza Festung Ehrenbreitstein, compramos os ingressos, e começamos por explorar o museu, Landesmuseum Koblenz. Esta Fortaleza é a 2a maior da Europa depois de Gibraltar. Em seu domínio ainda abriga um albergue da juventude, o memorial do exército alemão (Ehrenmal des Deutschen Heeres), diversos órgãos administrativos, um restaurante onde almoçamos, e uma lanchonete. E, há uma espetacular vista sobre Koblenz, que mostrarei no filme que fiz.

IMG_20190629_141145486_HDR.jpg
Festung Ehrenbreitstein
IMG_20190629_142039611_HDR.jpg
Landesmuseum Koblenz
IMG_20190629_142654352.jpg
Bandeira EUA na 1ª Guerra Mundial

Voltamos ao carro, seguindo pela floresta. Foi quando, ao chegar ao carro, vimos que o prédio em vidro tratava-se da entrada para um funicular. Fizemos um “ahhh”, mas logo esquecemos porque subir à pé foi interessante e divertido. Voltamos ao centro histórico (Altstadt) de Koblenz. Fomos forçados a este ping pong para não perder a possibilidade de boas fotos na Fortaleza devido a posição do Sol.

Seguimos para conhecer a Historiesäule (coluna da história), um monumento em bronze que conta dois mil anos de história de Koblenz, na florida Josef Görres Platz.

IMG_20190629_121837529.jpg

Caminhando pelas ruas de Altstadt chegamos à Jesuitplatz. O calor já estava quase insuportável, e rapidamente nos dirigimos para conhecer o Florinsmarket e Florinskirche com a estátua de Augenroller na torre do relógio. Uma pequena decepção, acontece.

IMG_20190629_122817923.jpg
Jesuitplatz
IMG_20190629_175831115.jpg
Augenroller

E, assim foi o primeiro dia de uma aventura de fim de semana prolongado. 🙂

Vamos ao filme !

Até ao próximo post! 😉