A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao, o livro

junot

 

Durante o lockdown na Bélgica surgiu a ideia de viajar através da literatura. Peguei minha lista de livros lidos e verifiquei a nacionalidade de cada escritor, 27 nacionalidades! Foi assim que cheguei ao livro do dominicano Junot Díaz, a 28a. nacionalidade. Um livro vencedor do Prêmio Pulitzer de Ficção em 2008.

 

livro wao

 

 

Quando você consegue ter um mínimo de felicidade, ela desaparece como se nunca tivesse existido“.
(Pág. 208, versão Epub)

 

 

 

A fantástica vida breve do jovem Oscar Wao, obeso, tímido, incomum e amante de RPG, e que se torna professor de redação criativa, sem conseguir publicar suas obras. O enredo passa-se durante o período de ditadura de Rafael Leónidas Trujillo Molina na República Dominicana. Este seria o criador ou criatura da maldição (fukú).

O fukú abateu-se sobre os ascendentes familiares de Oscar Wao, quando o avô deste recusou entregar sua linda e culta filha mais velha para satisfazer o apetite sexual do ditador. Supõe-se que a maldição tenha vindo da África trazida pelos gritos dos escravizados e Santo Domingo tenha sido o porto de entrada.

Supõe-se que a família Kennedy foi outra que sofreu um fukú, após JF Kennedy ter dado sinal verde para o assassinato do ditador dominicano Trujillo, em 1961.

A vida breve de Oscar Wao entrelaça-se com a história da República Dominicana, um país que, segundo o livro, é exportador de putas, mas também, e infelizmente, um país de dez milhões de Trujillos. Um país ainda preso a rivalidades com o Haiti e Porto Rico.

E assim viajei sem correr riscos até a América Central.

Até ao próximo post!

 

 

Clarice Lispector XXXV

clarContinuando o resumo de crônicas escritas por Clarice Lispector para o Jornal do Brasil.  As crônicas compõem o livro “Aprendendo a Viver”. Encontrarás todos os resumos anteriores na categoria “Clarice Lispector” neste blog.


Trechos

  • O mais difícil é não fazer nada. Trabalhar é um atordoamento. Ficar sem fazer nada é a nudez final. Os que não aguentam, vão se divertir.

  • Clarice estava escrevendo de madrugada. Não queria estar só diante do mundo. De algum modo estava acompanhada. E era bom. Estava escrevendo com facilidade e fluência. Desconfiava disso.

  • Recordou de um tempo de refinamento em que pedia ao garçom da casa para servir lavandas com uma pétala de rosa no líquido para os convidados. Um ritual talvez. Uma recordação  de alguém ter lhe contado sobre uma novela com um homem que não  sabia para que serviam as lavandas em taças com água morna e gotas de limão.

  • Ler Clarice é conhecer um humor refinado (?). Ela escreveu sobre a visita de uma embaixatriz que gostava de dar ordens brutas, mas para a escritora nunca fez isso. Confidenciou-lhe que não gostava de certo tipo de pessoa. Clarice ficou surpreendida e ficou calada, pois ela era exatamente esse tipo de pessoa.  A embaixatriz não a conhecia realmente. Noutra oportunidade convidou Clarice para lhe visitar e esta não foi. Era preciso proteger quem lhe ofende e tem sido obrigada a perdoar muito.

  • Escreveu que nunca esquecerá um domingo que estava sozinha e sentiu uma forte dor, viu que a menina que havia dentro de si estava morrendo. Levou dias para cicatrizar, mas passou.

  • Gostava de ir à praia, deixar o sal na pele, pois dizia-lhe o pai que era bom para a saúde. Estava saudável,  mas ela sabia que doença  é algo imprevisível. A morte do pai a deixou perplexa, pois ele encontrava-se em plena maturidade. Clarice disse: “Mas de algum modo as pessoas são eternas. Quem me lê também.”

Até ao próximo post!

Sinfonia da Ciência

Você conhece a Sinfonia da Ciência

SOS-flare-logo
É uma série  de mescla musical e visual (maschup), ou seja, transformações de conteúdos originais, criada pelo compositor e cineasta Melodysheep, que visa espalhar  ciência e filosofia  através de remixes de pensadores científicos proeminentes, como está explicado no website: https://www.symphonyofscience.com/

Escolhi uma dessas composições: The Poetry of Reality (A poesia da realidade). Esta maschup conta com a participação de 12 cientistas e entusiastas de ciências (Michael  Shermer, Jacob Bronowski, Carl Sagan, Neil deGrasse Tydon, Richard Dawkins, Jill Tarter, Lawrence Krauss, Richard Feynman, Brian Greene, Stephen Hawking, Carolyn Porco e PZ Myers. Vale a pena estar atento a letra desta composição.

Encontrarás mais Sinfonia da Ciência  também  no canal do Melodysheep no YouTube.

Até ao próximo post!

A noiva jovem, o livro

bariccoÉ o primeiro livro que leio do italiano Alessandro Baricco. Fiquei impressionada com a forma como escreveu A Noiva Jovem. Fui pesquisar sobre o escritor, e descobri que além de escrever livros, ele também  faz crítica musical e toca piano.

Está explicada a sua relação com a escrita, onde parece conseguir reger uma orquestra que executa a narrativa do livro, e a entrada do próprio autor, que ora está em conversa com a companheira, ora em diálogo com um vizinho de mesa num restaurante, ou mesmo num episódio sobre como aconteceu a perda de um computador.

noivaPode parecer uma leitura confusa, mas a verdade é que num livro onde a quase totalidade das personagens não possuem nome, e por isso são tratados como a noiva, o filho, o pai, a mãe, a filha, o tio, etc. Alessandro  Baricco consegue colocar frases sobre frases, acontecimentos  sobre acontecimentos, e tudo faz sentido como um acorde.

O sexo infeliz é o único desperdício  que nos torna piores.” (versão epub, pág. 78)

O erotismo é uma presença constante no livro sempre embalado pelas personagens femininas, onde um gesto bem executado,  sem pressa, pode ser capaz de atingir o prazer sexual.

O fato é que alguns escrevem livros, outros os leem: sabe deus quem está em melhor posição para entender alguma coisa.” (versão epub, pág. 133). Com certeza, estar na posição de leitor de Alessandro Baricco é uma posição privilegiada na orquestra que é o seu livro.

Até ao próximo post!