Clarice Lispector XXXVIII

Sábado
Clarice dizia: “o sábado é a rosa da semana, e o sábado de manhã  é quintal. Domingo de manhã  também é a rosa da semana, embora  sábado seja muito mais. Nunca vou saber por quê.”

Sábado, com sua luz
Trabalhar?  O que interessa no Sábado é puro ar.

Domingo 
Que perfume, é domingo de manhã. Terraço varrido. Liga o rádio. Almoçar tarde. Domingo ninguém tem sede. Começa a beber vinho sem a ânsia da sede.

Os perfumes da terra
A terra é perfumada. E Clarice se perfumava para intensificar o que ela era. Perfumar-se é uma sabedoria instintiva. É bom perfumar-se em segredo.

Teu segredo 
Flores envenenadas na jarra. Roxas, azuis, encarnadas, atapetam o ar. Que riqueza de hospital. Nunca vi mais belas e mais perigosas. É assim então o teu segredo. Teu segredo é tão parecido contigo que nada me revela além do que já sei. E sei tão pouco como se o teu enigma fosse eu. Assim como tu és o meu.

Até ao próximo post!

Passar a noite no cólon ?

Eu já trouxe (aqui) a fama da Bélgica ser o país europeu das casas mais feias, ou no mínimo, de arquitetura estranha. Neste post trago mais um projeto polêmico de arquitetura, o hotel Casanus, que fica em Stekene (Bélgica), próximo da fronteira com a Holanda.

exterior do hotel, imagem retirada da Internet

Que tal dormir dentro de um ânus ? Isso mesmo! É essa a experiência  que o hotel Casanus promove pelo custo de 120€ por noite. O projeto do designer holandês Joep Van Lieshout é um modelo intestinal gigante que permite aos hóspedes passar uma noite aconchegante dentro de um enorme cólon.

Um dos quartos, imagem retirada da Internet

Seu interior é estreito com curvatura de ânus. Seu exterior é esculpido com veias salientes e um esfíncter enrugado gigante (não funcional) em uma extremidade, e pintado de vermelho visceral de órgãos expostos. Toda a estrutura está localizada próxima a um lago para combinar com a ideia.

Outra vista do hotel, imagem retirada da Internet
Vista do hotel e lago, imagem retirada da Internet

Até ao próximo post!

O caminho para a felicidade suprema, o livro

Deepak Chopra mostra-nos 7 chaves ou 7 passos para alcançar a felicidade em nossa vida diária, e que também poderiam ser chamadas de chaves para a iluminação.


Primeira chave: Estar consciente do seu corpo.
Segunda chave: Encontre a verdadeira autoestima.
Terceira chave: Desintoxique sua vida.
Quarta chave: Desista de ter razão.
Quinta chave: Foque o presente.
Sexta chave: Veja o mundo em você.
Sétima chave: Viver para a iluminação.


Ele explica-nos muito mais neste livro. Orienta sobre a importância da empatia que é a capacidade de sentir o que o outro está sentindo. A resiliência emocional tão importante na atualidade, que é a capacidade de recuperação depois que algo ruim acontece. Conhecer o seu eu e ter consciência. A única cura para a infelicidade é a iluminação. O amor pode solucionar problemas.

Sua mensagem é importante diante de um mundo em que algumas pessoas para vivenciar a felicidade dependem da infelicidade de outros. Concluída a leitura de mais um livro de auto-ajuda neste ano que mudou as nossas vidas.

Até ao próximo post!

Almôndegas de feijão branco

Na tentativa de ter uma alimentação saudável e também de diminuir a “pegada ecológica” encontrei esta receita com uma apreciada leguminosa, o feijão. A receita está no website de um supermercado alemão que se encontra em vários países europeus. Espero que os apaixonados por culinária apreciem.

Ingredientes para 4 pessoas, 243 Kcal por pessoa 
320 g feijão branco
1,6 unid. dentes de alho
80 g cebolas
0,8 ramo salsa picada
0,8 c. café cominhos em pó
24 g pão ralado integral
0,8 frasco molho de tomate (350g)
240 g zoodles de curgete (espaguete de curgete/abobrinha)
3,2 c. sopa azeite
sal e pimenta q.b.

Tempo de preparação: 45 Min.
– Triture o feijão até obter uma pasta homogênea.
– Retire-a para uma tigela, junte a salsa, a cebola e os alhos picados, os cominhos e o pão ralado.
– Misture e retifique o sal e a pimenta.
– Molde as almôndegas com o preparado de feijão e coloque-as num prato de forno, previamente untado com azeite.
– Leve ao forno, pré-aquecido a 180°C, durante 15 minutos.
– Ferva o molho de tomate e verta-o sobre as almôndegas.
– Aqueça uma frigideira com um fio de azeite, junte os Zoodles de courgette e deixe cozinhar durante 5 minutos.
– Tempere de sal e sirva com as almôndegas.

Até ao próximo post!

Gent à noite

Voltando a falar da Bélgica, já que O Miau do Leão é uma pequena voz na região flamenga deste país. Muitos já devem saber que o Outono não é fácil na Bélgica. Já são 3 semanas seguidas que chove ou está muito nublado. Por isso, quando a chuva faz uma trégua é preciso aproveitar. E assim foi uma noite agradável, que pedia para ser fotografada na cidade belga que considero a mais alegre, Gent.

uma das esculturas da cidade

Gent é uma cidade universitária. Por suas ruas passam muitos jovens estudantes que dão vida às ruas. O movimento de bicicletas e dos bondes completam o charme desta cidade medieval.

Korenmarkt

As fotos foram tiradas à volta do Korenmarkt (mercado do milho). O Korenmarkt atualmente é uma praça central em que nos séculos X e XI eram comercializados diversos grãos, em especial, o milho. A praça também teve o seu momento triste quando foi palco de execuções na fogueira. Hoje é a praça mais turística de Gent. Todo o seu contorno está repleto de cafés com esplanadas e restaurantes representantes de diversas culinárias. Próximo é possível sentar às margens do Rio Leie (Rio Lys).

Rio Leie

Até ao próximo post!

Adú, o filme

A dica para o fim de semana é um filme espanhol, que mexerá com sua sensibilidade, Adú (Netflix, 2020).

O filme mostra vários personagens e seus dramas. O relacionamento difícil entre um pai e uma filha rebelde. Esse mesmo pai trava uma luta contra a caça de elefantes em alguns países africanos. A criança, Adú, e sua irmã, que tentam fugir da sofrível vida nos Camarões entrando no porão de um avião que pensam estar voando para Paris. Ainda há como personagem um guarda espanhol fronteiriço impotente diante da problemática dos refugiados que buscam uma melhor vida na Europa. E mais alguns poucos personagens. Todos eles vão se cruzar na trama de alguma forma. E aí é que está a beleza do filme.

Eu esperava algo mais do filme, mas penso que o filme cumpriu o objetivo de nos sensibilizar para um drama real de todos os dias nas fronteiras europeias. O drama de pessoas que buscam uma vida digna, afinal somos todos seres humanos, e cada vida tem o seu valor. 

Até ao próximo post!