A sutil arte de ligar o f*da-se, o livro

Pílula de choque I:

O autor aborda vários temas, e momentos de sua própria vida, de uma forma que parece que você  recebeu um puxão de orelhas, e acorda para a realidade. Aliás, uma realidade, segundo o autor, vivida de forma obsessiva por nós, e portanto, muito pouco realista. Vivemos numa corrida para ser o mais saudável, o mais inteligente, o mais rápido, mais rico, mais produtivo, mais admirado,…, ser o melhor. E muita dessa obsessão vem… Surpresa! Vem de muitas mensagens de autoajuda que ouvimos, que lemos, e que muitas vezes se concentram no que não temos.

“O que torna-nos pior aos nossos olhos.” Mark Manson

Assim se você pensa o tempo todo em alcançar o mais longe, ir mais alto, ser mais forte, então você acaba por inconscientemente reforçar a realidade de que não é capaz. Essa obsessão acaba por fazer mal à sua saúde. E ele diz, sem papas na língua, que se você está se “fodendo” para esse mal estar, então acaba de entrar no chamado Círculo Vicioso Infernal e provocando curto-circuito.

Para terminar a primeira “pílula de choque“, deixo a Tina Turner (The Best, 1989) dizer com garra que você é simplesmente o melhor

Até ao próximo post!

11 comentários sobre “A sutil arte de ligar o f*da-se, o livro

  1. Desculpe Silvana, à pouco passei por aqui e pus gosto mas queria dizer alguma coisa, mas na altura andava aqui com uma situação na cabeça e nem soube muito bem o que escrever.
    Creio que esta forma como refere o livro é uma boa forma de encarar determinadas situações. E o que mais gostei foi da honestidade do autor (gostar ou não do vocabulario) da forma como ele trata os assuntos. Não está com rodeios é limpo, e não pretende ensinar nada mas mostrar algo mais real.
    Daí crer, que apesar de tudo fugir ao registo de livros de auto ajuda com fórmulas mágicas (que nunca resultam). Nunca existiu formula magica para a felicidade.
    Ele é real, daí ter gostado.
    Um abraço ficarei à espera de posts futuros com tempo. Beijo grande.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Quando se deseja algo baseado no que os outros tem, ou irão pensar. Ou ainda, porque está na moda. A escolha nunca é sua. É sempre o outro que escolhe viver daquele jeito e você está apenas engolindo um discurso que faz você também querer ser ou ter aquilo também.
    Gostei da sua provocação.

    Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    • Rsrsrs Gostei muito do seu comentáio. Estava à espera de alguém ter notado a provocação. Rsrs
      Com certeza, Gabriel. E isso tornou-se exponencial com as redes sociais. É um dos pontos negativos das redes sociais. Isso não quer dizer que eu seja contra as redes, mas é preciso estar atento a esse efeito em nossas vidas.
      Abraço.

      Curtido por 1 pessoa

    • E como soube! rs
      Vez por outra surgem livros com alguma estratégia de marketing diferente. Lembro de um livro chamado Quem Mexeu no Meu Queijo? Ora, um título assim chama logo a atenção.
      O título do livro do Manson salta aos olhos. Acredito que desperte curiosidade, mas também repulsa.
      Eu leio livros de ajuda, mas achei o desenvolvimento deste diferente dos que já li. Algumas vezes concordei, outras nem por isso. vamos ver se consiguirei desenvolver as futuras pílulas de Manson. 🙂
      Abraço.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s