A gaivota

Durante esta semana que está terminando, retornamos à praia. Fomos, novamente, à praia que falei no post Uma Praia na Holanda. Ir à praia faz-nos muito bem. É preciso encher a “bateria” de vitamina d para enfrentar o Outono e Inverno. Se bem que tenho muito mais dificuldade em atravessar o Outono do que o Inverno. É algo que já começa a mexer comigo.

IMG_20180807_135304668

Chegando à praia, de frente para o mar, vi esta cena (foto). Não resisti e resolvi partilhá-la convosco. Eu gosto muito de observar as aves, e a gaivota é uma das minhas preferidas. Tenho fotos de gaivotas em Haia, em Lisboa, em Londres, … Eu não posso ver uma gaivota! Rsrsrsrs

Ao chegar à casa e observar melhor a foto, lembrei de uma música da fadista do povo Amália Rodrigues, e que em 2009 foi relançada em versão pop, pelo grupo português The Gift. É um grupo que gosto muito de ouvir, que canta com mais frequência em inglês, mas para homenagear a querida Amália tinha que cantar em português. 😊

Vai neste post a versão pop e a original de “A Gaivota”.

Versão pop:

 

Versão original:

Até ao próximo post! 😉

Anúncios

100 dias para as Olimpíadas no Rio

Já falta pouco menos de 100 dias para as Olimpíadas no Rio, apesar de todas as dificuldades que o Brasil enfrenta. E, agora pergunto-me: … e será que houve algum período sem dificuldade na história do Brasil ? Bem, a festa vai acontecer ! Tanto que desejei viver esta festa no Brasil quando criança, mas era um sonho distante. Afinal, deixou de ser sonho, mas hoje estou tão longe e com uma vida que não me permitirá nem ver a tocha olímpica a passar por minha cidade natal. Vou continuar a ver por uma televisão, mas torcendo como sempre.

Li uma notícia hoje que diz “A 100 dias dos Jogos o mundo se pinta com as cores do Brasil”. 100 e o mundo! O 100 é muito especial em algumas partes do mundo. Aqui, na região flamenga da Bélgica, os estudantes, fantasiados, fazem uma grande festa quando faltam 100 dias para o início das férias, em especial, os que vão seguir para a universidade, ou não.

Mais o que me traz aqui nesse dia 100 é uma crónica do José Saramago, “Só para gente de paz”, do livro A Bagagem do Viajante, que fala dos Jogos Olímpicos. Uma crónica que pareceu ter sido fruto das circunstâncias de quem é cronista de jornal, e então ele opta por falar nas “banais convenções humanas” presentes na história dos Jogos. Daí, surge um texto que é o espelho da ironia com sabedoria do autor. Ler Saramago não é tarefa fácil. Antes, respiro fundo para concentrar-me apenas nas palavras, na escrita. Desprendo-me da pessoa e dos rótulos atribuídos. Assim, consigo apreciar os seus jogos de palavras que combinam em frases de ironia, em tom de provocatória brincadeira.

Finalizando o texto, ele dá uma proposta que diz ser um momento raro de ingenuidade pessoal, mas que não deixo de pensar: “… que nenhum país seja autorizado a participar se diretamente estiver, ou mesmo indiretamente alimentar uma guerra em qualquer parte do mundo.”

Não tenho medalhas para oferecer a você que me acompanha, mas deixo a imagem das minhas tulipas a 100 dias dos Jogos. Viva os Jogos Olímpicos, Rio, Brasil!

tulipasTot ziens! 🙂