Caminhos do pão e da fé, em Soajo (Portugal)

Mais um hiking em terras portuguesas. Desta vez, a vila de Soajo (Nov/2020) foi escolhida para seguir o percurso longo do conhecido caminhos do pão e da fé (Wikiloc). Há um caminho curto e outro longo. A caminhada  não foi difícil, seguindo calçadas razoavelmente conservadas, caminhos em terra e um curto trecho em estrada estreita.

brandas pastorícias

A natureza à volta convidava a seguir cada vez mais, tendo a companhia das vacas cachenas e ovelhas a pastarem.

Um percurso com séculos de história, passagem de vidas peregrinas movidas pela fé, sinais do cultivo do milho, da moagem do grão para o fabrico do pão, que foi um elemento de sobrevivência de gerações naquelas terras ao redor, a criação do gado com as brandas pastorícias.

antigo moinho

As levadas (canais de irrigação) estão sempre presentes nos percursos curto e longo dos caminhos do pão e da fé. Eram usadas para o regadio dos campos de cultivo, e para movimento dos moinhos que transformavam o grão na farinha.

levada (canal de irrigação)

Um percurso agradável de ser feito e que me fez relembrar uma das minhas primeiras memórias vividas em Portugal, conhecer e plantar um diospireiro (caqui). Também foi inesquecível o meu encontro frente a frente com uma vaca cachena, espécie típica de Portugal e Galiza (Espanha).

Um pouco desses momentos estão no vídeo (56 seg) que fiz. Vem comigo!

Até ao próximo post!
Segue-me também no Instagram, Twitter e Facebook. 🙂

Subir a Serra Amarela em Gêres (Portugal)

Parecia que o hiking seria fácil, apenas 10,9 km e o máximo de 946 m de elevação.  O dia estava lindo. O percurso foi escolhido utilizando a app Wikiloc: Serra Amarela – Ermida + Bilhares + Martinguine + Viduak.

A cada curva a natureza revelava todo o seu encanto, e a trilha sonora era o som de pequenas cachoeiras.

Até que se chegou à Branda de Bilhares. O que parecia ter sido uma pequena aldeia que vivia do pastoreio e cultivo, sobretudo no Verão.

Pelo caminho ainda avistamos várias cachoeiras. A água era bastante fresca. E a subida seguiu em bom ritmo.

Até que alcançamos o topo da trilha escolhida. Por algum tempo exploramos os pequenos detalhes da natureza. Não podíamos passar muito tempo. O pôr do Sol era por trás de uma colina e começava a arrefecer. Tínhamos que ser rápidos. 

Em princípio uma descida era para ser fácil, mas na prática não foi isso que aconteceu. O caminho revelou uma vegetação não indicada no aplicativo. Muitos degraus em pedra que à medida que se aproximava do riacho tornavam-se escorregadios. Erramos o caminho, sofremos com a vegetação cerrada do caminho errado. Já pensávamos em passar a noite por ali, molhados até ao joelho devido a travessia do riacho que não era necessária. Não seria prudente. Seguimos. Logo veio a noite, os celulares se aproximavam do fim da bateria.

O meu silêncio na volta foi notado pelo meu filho mais velho que passou a caminhar colado a mim. A sua sensibilidade tinha razão. Era um mal sinal que eu emitia sobre o meu limite mental. A condição física estava boa, mas a mental sofria. 

antes da descer a Serra Amarela

Reencontrar Bilhares foi um alívio.  Faltava “pouco”. O céu à noite era lindo. Na Bélgica não vejo a beleza de tantas estrelas e constelações.

Cada momento era precioso, e assim, na descida não houve fotos. Apenas um vídeo caseiro às escuras. Já no caminho correto e sem obstáculos, essa foto foi o único registro. Uma respeitosa salamandra que atravessava o caminho.

E o vídeo que fiz da subida…

Até ao próximo post!

Um dia especial: Langarica Canyon

Observamos que chegava o momento de definir o dia do planejado “hiking” próximo a Gjirokaster. Definido o dia, então nada de esforço físico no dia anterior, organizar o equipamento, comprar água e, sobretudo, acordar cedo.

Acordamos cedo e seguimos a mesma rota para Gjirokastër, desviando para ir de encontro ao Langarica Canyon, no Fir of Hotova National Park, em Përmet.

Deixamos o carro no amplo estacionamento. Começamos a decidir quem seria o primeiro a levar a mochila com os mantimentos: garrafas de água, barras proteicas, caixa de primeiros socorros, protetores solar, repelente,… Fiquem a saber: eu não consegui cumprir o meu tempo de carregar a mochila, e acabei por beber um pouco da água de todos. :))

Antes de iniciar o “hiking” foi possível dar uma vista de olhos rápidos em toda a beleza à volta. Não podíamos perder tempo. Era preciso iniciar a caminhada. Utilizamos o aplicativo que já falei aqui no blog, Wikiloc.

IMG_20190814_093441143.jpg
Começando a trilha

IMG_20190814_093507966.jpg
ponte Otomana

Para mim, foi super cansativo, mas rendeu lindas fotos e experiências. Eu não consigo, em palavras, descrever o quanto foi desafiador para mim. Foi, sem dúvida, uma grande luta física e mental. Mais uma superação na vida. Sim, eu consegui! É verdade que não completamos todo o percurso, não por desistência, mas a trilha não estava atualizada, e entre a data de publicação do percurso e agosto de 2019 houve sem dúvida um desastre natural que fez deslizar um enorme trecho, sendo no presente só possível de enfrentar com equipamento e técnica de alpinismo. Resolvemos retornar pelo mesmo caminho, e cumprir o restante através de outra trilha, seguindo o rio, em outro momento que a vida permitir. Ficamos satisfeitos por chegar ao ponto mais alto e admirar o Langarica Canyon por cima.

IMG_20190814_094614906.jpg
Parte da trilha para ver o Langarica Canyon

IMG_20190814_112353596_BURST000_COVER_TOP.jpg
Subindo cada vez mais, a vista do parque nacional

Quando retornei ao ponto onde toda essa história começou, eu perdi um pouco a noção que estava acompanhada, ou que haviam outras pessoas estranhas por perto, tamanho era o desespero por baixar a temperatura do corpo. Tirei toda a roupa da caminhada. Não fiquei nua! :)) E, simplesmente, deitei-me na pouca água existente no rio naquela época do ano. O rio cheirava imenso a enxofre e fósforo. Não fazia mal nenhum. Peixinhos beliscavam os meus pés. Não fazia mal também!

IMG_20190814_174009953_HDR.jpg
Ura I Kadiut

Fiquei sozinha ali, enquanto minha família foi levar o material até ao carro e trazer mais água para beber. Depois de um pouco recuperada foi a vez de desfrutar da beleza do rio, de se banhar na fonte termal que estava bem frequentada. Eu estava mesmo a precisar de ser absorvida pela fonte.

O corpo descansava na fonte e os olhos admiravam a beleza da ponte Otomana (Ura I Kadiut).

Venham comigo ver o vídeo que o cansaço permitiu produzir. Foi um dia inesquecível!

Até ao próximo post! 😉