Um passeio por Otranto

Como estivemos na Baía dei Turchi onde os turcos desembarcaram para conquistar Otranto, decidimos que seria a primeira cidade a ser explorada, e assim fomos num final de tarde com temperatura mais amena. Um momento do dia ideal para apreciar a praia e marina.

IMG_20180725_181237466.jpg

A cidade é rica em história, arte e cultura. Merecia mais tempo para conhecê-la, entretanto a dificuldade em vaga de estacionamento no verão, demasiada oferta estilo “tourist trap”, sem falar que como é uma região mais frequentada por turistas da própria Itália sentimos alguma resistência ao inglês, assim não voltamos para visitá-la outra vez, apesar da pouca distância entre Minervino do Lecce e Otranto.

IMG_20180725_185255647_HDR.jpg

A sua posição geográfica foi uma oportunidade comercial, mas também uma ameaça para invasões. A chamada “cidade velha” é cercada por muralhas defensivas, e sua entrada chama-se Porta Alfonsina. Há muita vida descontraída dentro das muralhas, contrastando com um passado de conquistadores lombardos, bizantinos, aragoneses, franceses e turcos, povos que deixaram suas “pegadas” na vida da cidade. É o caso do Castelo Aragonês construído por Fernando I de Aragão, entre 1485 e 1498, como uma fortaleza militar com seu fosso à volta.

IMG_20180725_183453476_HDR.jpg

Andar pelas ruas estreitas e becos da cidade antiga é muito agradável. São cenas pitorescas. Há muitas pequenas lojas, restaurantes, cafés e muitas casas com simpáticos pátios. Um labirinto que dá gosto percorrer e se perder.

IMG_20180725_183608711_HDR.jpg

Depois de conhecer o exterior do Castelo, seguimos poucos metros e avistamos a grandiosa Catedral de Santa Maria Anunziata, que remonta ao século XI. Logo chama a atenção a sua rosácea gótica e alguns elementos barrocos na porta de entrada. O seu interior é fantástico! O seu chão de mosaico é de um imenso valor artístico e pelo que percebi representa a “Árvore da Vida”, mas também há outras simbologias como o papel histórico de Otranto e referências pagãs. Acho que merecia um balcão superior para ser visto em sua totalidade. Em seu interior há a Capela dos Mártires ainda com restos mortais de fiéis, que tentaram a resistência contra os turcos, mas não tive coragem de visitar. Há outras igrejas que mereciam uma visita, mas não a fiz.

IMG_20180725_192317002_HDR.jpg

IMG_20180725_192707246.jpg

IMG_20180725_192202619_HDR.jpg

Após o passeio pelas ruas de Otranto, fomos à procura de um restaurante para jantar. Nossa atenção foi desviada por um grupo de mulheres que dançavam ao som de tambores, aquele ritmo atraiu muitas pessoas naquele fim de tarde de beleza. Voltamos à realidade, e vimos que o restaurante que havíamos escolhido estava com uma fila enorme e carecia de reserva. Acabamos por ir a um que estava até bem cotado no TripAdvisor, seguimos a sugestão de peixe do dia, e saímos com a sensação de ter caído numa daquelas armadilhas para turista. Valeu apenas a simpatia da funcionária e algumas fotos do seu trato com o peixe.

IMG_20180725_210338326_LL.jpg

IMG_20180725_210742934
IMG_20180725_213844347.jpg

Segue um vídeo com muitas imagens de Otranto, e outro vídeo com som original! 😉

Até ao próximo post em terras do Salento! 😉

Praia (Spiaggia) Cala Cipolla

É uma praia quase escondida.
Ir de encontro a esta praia exige um pequeno esforço de caminhada, que vale a pena devido a sua beleza natural com a presença de pinheiros à sua volta.
Os veículos devem ficar no espaçoso estacionamento, que serve também aos visitantes da praia de Su Giudeu, e que custa 5€.
A faixa de areia é estreita. Não há instalações para aluguel de cadeiras e guarda-sol. Há apenas um pequeno quiosque para venda de lanches simples.
A baía que cerca esta praia é um ponto ideal para mergulho. Uma praia de pouca frequência em comparação com as outras praias próximas. Areia quase branca. Águas mornas.
No entanto, apesar de tanta beleza, como mostrarão as fotos abaixo, não foi a praia que mais nos encantou no Sul da Sardenha. Motivo? A água. Apesar da agradável temperatura da mesma, a tonalidade da água era diferente das outras praias do Sul da Sardenha. Talvez, por ser uma baía estreita, mais fechada, contribua para uma água com menos ondulação, promovendo o aparecimento de alguma alga que gerava essa cor diferente da água. Mais também pode ter sido uma situação pontual. E, mesmo assim, é uma praia de inegável beleza, a começar pela sua deslumbrante passagem (entrada) que mais parecia a entrada de um possível paraíso.
Quase não havia a presença de vendedores ambulantes neste dia.
Vamos conhecê-la em imagens e em um curto vídeo ? Vem comigo! 🙂
GPS 38º52’44.5″N  8º51’13.5″E

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
À esquerda, o estacionamento. À direita, uma vista da Spiaggia Su Giudeu

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Início do caminho até a Spiaggia Cala Cipolla

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Mais um pouco de caminho. Vale a pena!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Linda entrada!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Um calmo ambiente
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Uma vista geral da praia Cala Cipolla. E mesmo atrás de mim, vejam, na foto a seguir, a beleza que descobri num cantinho escondido.
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O tal cantinho que falei acima. Lindo, não?
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Um bocadinho mais de Cala Cipolla
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Vista para o horizonte

Curto vídeo com sabor a quero mais:

Curto vídeo com sabor a quero mais.

Tot ziens ! 😉