A encantadora Bernkastel-Kues

E chegou o último dia do passeio de 3 dias na vizinha Alemanha. Descemos para Bernkastel-Kues às margens do rio Mosela 

Quando fiz o roteiro para estes 3 dias, escrevi o nome de várias terrinhas para visitar, mas caso não houvesse disponibilidade de tempo seria apenas esta cidadezinha para se visitar, e seguiríamos em direção a Trier, subindo para Bélgica por Luxemburgo. E, realmente, foi o que aconteceu. O tempo não seria suficiente, e tínhamos compromisso muito cedo no dia seguinte.

Estacionamos o carro às margens do Mosela num grande estacionamento pago. Foi descer do carro, e logo sentir o encanto de Bernkastel-Kues. Avistamos logo o Burg Landshut, ruínas do castelo.

IMG_20190701_122012754_HDR.jpg

Fomos em direção ao centro desta cidadezinha, e simplesmente, ficamos como crianças com tanta beleza. Parecia um conto de fadas. Ficamos perdidos no tempo a tirar muitas fotos pessoais em seu Marktplatz.

IMG_20190701_120642771_HDR.jpg

IMG_20190701_120648668_BURST000_COVER_TOP

IMG_20190701_122633429_HDR

Mais algumas passadas e avistamos a casa estreita Spitzhäuschen. Que gracinha!

IMG_20190701_121259702_HDR.jpg

Em seguida, sem mais nenhum ponto definido a explorar, começamos simplesmente a andar por aquelas simpáticas ruas com seu comércio igualmente admirável.

IMG_20190701_123022221_HDR.jpg

IMG_20190701_123456396_HDR.jpg

IMG_20190701_123739573_HDR.jpg

Estávamos na “casa” do saboroso vinho branco Riesling, o orgulho dos produtores da região.

Confiram o vídeo para conhecer este encanto de cidade alemã:

Até ao próximo post!

Nas alturas em Cochem

No mesmo dia, após visitar Sankt Goarshauzen e Sankt Goar, partimos em direção a outra cidade alemã às margens do rio Mosela, Cochem. Quando lá chegamos eram 16 horas de um domingo, e com tantas paisagens fantásticas, acabamos por esquecer que o comércio e atividades fecham cedo na Alemanha.

Estacionamos logo ao lado do centro turístico e nos dirigimos até ao Mosel-Wein-Express, um trenzinho que circula pelos principais pontos turísticos da cidade, mas tinha acabado de concluir a sua última viagem do dia.

Logo ao lado da estação do trenzinho está o pequeno prédio da antiga ponte Mosela que foi decorada em 1982 pelo artista gráfico Karl Fritz Nicolay com um mosaico da história da cidade (pedigree de Cochem).

IMG_20190630_163036603_HDR.jpg
Treppenhaus

Seguimos caminhando pela praça Josef-Steib-Platz passando pela Enderttor, um portão construído em 1332 como passagem Norte da muralha.

IMG_20190630_163753255_HDR.jpg
Enderttor

Quando chegamos ao teleférico só faltava  uma hora (18 hs) para encerrar esta atividade. Eu perguntei ao senhor se as cadeiras não paravam para poder sentar. E ele disse um “não” muito divertido. O teleférico leva ao topo do monte Pinnenberg onde está um miradouro chamado Pinnenkreuz. Você também pode subir a pé, ou escolher apenas subir e/ou descer através do teleférico.

IMG_20190630_165206512_HDR.jpg
Pinnenberg
IMG_20190630_170240414
Pinnenkreuz

Lá no topo, a vista é deslumbrante! E, vê-se muito bem o belo castelo Reischsburg numa colina a cerca de 100m do rio Mosela. Esse imponente castelo é conhecido como o “Neuschwanstein do Mosela” por sua beleza. Estive visitando o Neuschwanstein há oito anos atrás. E, confirmo alguma semelhança exterior quanto à beleza.

IMG_20190630_170753474.jpg
Reischsburg

Vamos ver o filme?

Até ao próximo post!

Encontro com rios em Koblenz

A nossa aventura de fim de semana prolongado começou por Koblenz, na região da Renânia-Palatinado (Rheinlan-Pfalz).

O primeiro destino foi Deutsches Eck (esquina alemã) onde está o ponto de encontro dos rios Mosela e Reno, que deu origem ao nome da cidade em alemão, já que os romanos chamaram o local de “Confluentes”.

IMG_20190629_105732515_BURST000_COVER_TOP.jpg

No dia anterior houve uma grande festa no local, e quando chegamos estava tudo a ser retirado com muita organização. O cenário à volta era ainda composto por turistas, e mais alguns poucos personagens exóticos. Passei um bom tempo a apreciar as diferentes tonalidades dos dois rios com as suas diferentes “personalidades”, o calmo Mosela e o agitado Reno.

IMG_20190629_105223118_BURST000_COVER_TOP

Olhei para trás da confluência e estava a imponente estátua de Guilherme I. Não tenho relevante conhecimento de história geral, mas sei o suficiente que ele foi o responsável pela unificação da Alemanha. E o monumento, por trás da estátua, tem vários escudos das regiões alemães como testemunho. Koblenz é muito mais que este fato histórico, o meu olhar presenciou uma riqueza cultural surpreendente, e incapaz de ser absorvida por completo em um único dia de passeio.

IMG_20190629_104243696.jpg

Visitar Koblenz foi prático. Deixamos o carro num dos estacionamentos pagos ao longo do Mosela, e a partir dali visitamos muitos pontos turísticos. O calor que se fazia em torno de 32° C, não nos deixou ir além dos pontos turísticos tradicionais, mas, mesmo assim,  fizemos uma loucura que contarei logo a seguir, e que não é nada atribuída à turistas comuns.

Então, após visitar a Esquina Alemã, seguimos pela bela margem do Reno, passando pelo teleférico (Talstation), que leva ao topo da Fortaleza Festung Ehrenbreitstein. Foi quando decidimos ir até à Fortaleza com o carro, mas antes passeamos pelo refrescante jardim da Basílica de São Castor (Kastorkirche) com suas fontes 

IMG_20190629_112253516_HDR.jpg

Seguimos em direção à Fortaleza, e estacionamos num parking ao longo da estrada que é acesso. Do outro lado avistamos um prédio em vidro, mas o calor não nos deixava com muita disposição para pensar. Naquele ímpeto, decidimos ir à pé pela pequena floresta na encosta da Fortaleza. Compramos líquidos no supermercado que estava na estrada, e força nas pernas! Éramos os únicos a fazer esta caminhada. Esses momentos diferentes de um tradicional turista é que nos une mais, e nos faz entrar em novas portas de conhecimento. Sentamos em um dos bancos pelo caminho e avistamos duas caixas no tronco de árvores. O que seriam aquelas caixas ? Qual o seu objetivo? Cada um que dava o seu palpite, mas como não houve consenso, resolvemos consultar o Google. Eis que descobrimos se tratar de uma “bat house” (casa de morcego), e que são importantes para o ecossistema, pois eles podem se proteger, principalmente durante o verão, especialmente os bebés (ês, ao gosto) morcegos e suas mães.

IMG_20190629_135613781_HDR.jpg

Chegamos à Fortaleza Festung Ehrenbreitstein, compramos os ingressos, e começamos por explorar o museu, Landesmuseum Koblenz. Esta Fortaleza é a 2a maior da Europa depois de Gibraltar. Em seu domínio ainda abriga um albergue da juventude, o memorial do exército alemão (Ehrenmal des Deutschen Heeres), diversos órgãos administrativos, um restaurante onde almoçamos, e uma lanchonete. E, há uma espetacular vista sobre Koblenz, que mostrarei no filme que fiz.

IMG_20190629_141145486_HDR.jpg
Festung Ehrenbreitstein
IMG_20190629_142039611_HDR.jpg
Landesmuseum Koblenz
IMG_20190629_142654352.jpg
Bandeira EUA na 1ª Guerra Mundial

Voltamos ao carro, seguindo pela floresta. Foi quando, ao chegar ao carro, vimos que o prédio em vidro tratava-se da entrada para um funicular. Fizemos um “ahhh”, mas logo esquecemos porque subir à pé foi interessante e divertido. Voltamos ao centro histórico (Altstadt) de Koblenz. Fomos forçados a este ping pong para não perder a possibilidade de boas fotos na Fortaleza devido a posição do Sol.

Seguimos para conhecer a Historiesäule (coluna da história), um monumento em bronze que conta dois mil anos de história de Koblenz, na florida Josef Görres Platz.

IMG_20190629_121837529.jpg

Caminhando pelas ruas de Altstadt chegamos à Jesuitplatz. O calor já estava quase insuportável, e rapidamente nos dirigimos para conhecer o Florinsmarket e Florinskirche com a estátua de Augenroller na torre do relógio. Uma pequena decepção, acontece.

IMG_20190629_122817923.jpg
Jesuitplatz
IMG_20190629_175831115.jpg
Augenroller

E, assim foi o primeiro dia de uma aventura de fim de semana prolongado. 🙂

Vamos ao filme !

Até ao próximo post! 😉

O sossego em Engers

Após meses, o Miau do Leão está de volta às viagens. Escolhemos recomeçar as aventuras retornando depois de anos à Alemanha. Já me tinha esquecido da beleza natural deste país e sua gastonomia que cai bem ao meu gosto. Também já me tinha esquecido da dificuldade de se comunicar em inglês e da ausência de informações em inglês nos lugares públicos, da quase não utilização de cartão de débito/crédito pelo comércio, e dos raros sorrisos dos nossos vizinhos alemães.

Fomos com o objetivo de desfrutar de um fim de semana prolongado e conhecer as cidades de Koblenz, Cochem e Trier. No entanto, foi possível pincelar outras cidades, e ficou o desejo de retornar com mais tempo disponível, e em época de menos calor, a esta região que é banhada pelos rios Mosela e Reno.

Assim, a nossa aventura teve como ponto fixo a pequena e acolhedora Engers, à margem da correnteza do Reno. Ficamos num airbnb com toda a graciosidade alemã, e logo num fim de semana de festejos da cidade! (ver filme)

Todo o passeio que passarei a descrever, em vários posts, decorreu com muita satisfação, apesar da temperatura média ter sido de 35º C.

IMG_20190628_191116250_HDR.jpg
Passeio em Engers, à margem do Reno
IMG_20190628_193625183_HDR.jpg
A casa que ficamos hospedados

O curto filme que fiz sobre alguns momentos em Engers.

 

Até ao próximo post! 😉