O Gambito da Dama, a série

(Sem spoiler) O Gambito da Dama (The Queen’s Gambit) é uma série com 7 episódios, e que foi baseada no romance de Walter Tevis, o mesmo autor de O Homem que Caiu na Terra, também adaptado para o cinema. Eu “engoli” rapidamente os episódios acompanhada dos filhos, e juntos, foi possível rever um mundo que já esteve presente em nossas vidas.

O xadrez é o tema central, no período da Guerra Fria, entre os anos 50 e 60, e numa época que os homens dominavam o xadrez. Surge uma jovem orfã com um enorme talento, mas com uma vida regada de problemas que vão desde a morte da mãe, passagem por orfanato, alcoolismo, dependência de medicamentos, boas e más influências de amigos, etc.

Algo que nos chamou a atenção é que os personagens pareciam ser, em certa medida, a representação de grandes mestres do xadrez. Por exemplo, a jovem talentosa Elisabeth Harmon (interpretada pela igualmente talentosa Anya Taylor-Joy) seria inspirada no Bobby Fischer, grande mestre de xadrez americano. Chegamos a essa conclusão devido o título da série e o comportamento da personagem principal. O gambito da dama seria a abertura preferida de Fischer, mas Harmon gostava da abertura siciliana.

Vale a pena conferir o trailer da série…

Até ao próximo post!

Adú, o filme

A dica para o fim de semana é um filme espanhol, que mexerá com sua sensibilidade, Adú (Netflix, 2020).

O filme mostra vários personagens e seus dramas. O relacionamento difícil entre um pai e uma filha rebelde. Esse mesmo pai trava uma luta contra a caça de elefantes em alguns países africanos. A criança, Adú, e sua irmã, que tentam fugir da sofrível vida nos Camarões entrando no porão de um avião que pensam estar voando para Paris. Ainda há como personagem um guarda espanhol fronteiriço impotente diante da problemática dos refugiados que buscam uma melhor vida na Europa. E mais alguns poucos personagens. Todos eles vão se cruzar na trama de alguma forma. E aí é que está a beleza do filme.

Eu esperava algo mais do filme, mas penso que o filme cumpriu o objetivo de nos sensibilizar para um drama real de todos os dias nas fronteiras europeias. O drama de pessoas que buscam uma vida digna, afinal somos todos seres humanos, e cada vida tem o seu valor. 

Até ao próximo post!

Gagarin – o primeiro no espaço, o filme

Interessante produção russa (2013) que assisti pela Netflix onde mostra o cosmonauta soviético Yuri Gagarin desde sua infância até o seu primeiro vôo ao espaço. De uma infância humilde à fama de herói. 

Além da vida de Gagarin, o filme também mostra toda a preparação para a volta sob a Terra que durou 108 min, desde a seleção de candidatos, exercícios, o lançamento da Vostok 1 no Cazaquistão até o seu retorno ao solo do nosso planeta em terras soviéticas.

Um filme que vale a pena ser visto. Também o encontrarás completo no YouTuBe.

Até ao próximo post!

 

 

Beasts of no nation, o filme

Como é fim de semana, vai uma dica…

Este filme da Netflix é baseado no romance do escritor norte americano, descendente de nigerianos, Uzodinma Iweala.

Os primeiros minutos mostram crianças brincando em momentos de genuínas brincadeiras. É possível dar boas gargalhadas com suas brincadeiras. De repente, a vida do pequeno Agu (personagem principal) muda com a chegada da guerra ao seu vilarejo. Crianças são transformadas em soldados, e perdem a inocência, perdem a infância. Mesmo assim, é possível ver companheirismo entre eles.

O cenário é a Nigéria, mas as cenas bem poderiam ser no Afeganistão, Síria, Iraque, República Centro-Africana, Congo, Sudão do Sul, e tantos mais.

Eu não vou muito mais falar sobre o filme, mas advirto que há muitas cenas de violência. Você também pode encontrar o filme completo no YouTube.

Se eu contar tudo para você, você achará que eu sou um tipo de besta ou demônio. E eu sou tudo isso. Mas eu já tive uma mãe, e um pai, e uma irmã e um irmão. E eles me amaram. Um tempo atrás.” Agu

Vamos ver o trailer deste filme que é vencedor de vários prêmios de cinema…

 

Até ao próximo post! 😉

Lion, o filme

Você vai se emocionar, torcer, correr, chorar,rir com o pequeno Saroo. Uma criança indiana, que quando chegar a idade adulta, já estando a viver na Austrália, e enquanto estava num encontro entre amigos, começa até “insights” sobre o seu passado. E decide descobrir sua família biológica.

É impressionante a pobreza na Índia, ou melhor, a diferença social. E a diferença gritante entre Índia e Austrália.

Passei quase todo o filme a tentar perceber o por quê do filme assim se chamar, Lion. Fiquei a saber apenas na fase de créditos. Então, preste atenção até lá. Um filme adorável apesar de algumas repetições de cenas e lacunas no desenvolvimento. Vamos ver o trailer com legenda em português…

Até ao próximo post! 😉

O menino que descobriu o vento, o filme

Faz tempo que não vejo um filme como este, em que eu chorei, emocionei-me, torci pelo jovem, sorri,… Um filme adorável! Uma lição de vida para tantos jovens que não sabem dar o valor daquilo que possuem.

Eu assisti ao filme em inglês devido a minha Netflix com o tiítulo original The Boy Who Harnessed the Wind . Também há TED com o jovem William Kamkwamba. Vamos ver o trailler? 🙂

Até ao próximo post! 😉

 

Eu não sou um homem fácil, o filme

Eu criei a categoria “filmes” faz tempo, e todo este tempo esteve parada porque a intenção era mostrar cidades belgas através de produções cinematográficas, ou, simplesmente, produções belgas. A tarefa não tem sido fácil! Simplesmente, porque não tenho conseguido encontrar algo mais que mereça como sugestão. Valendo lembrar que a motivação de fazer isto faz parte do meu processo de integração e aprendizagem das línguas deste país que vivo.

Eu resolvi mudar a ideia inicial da categoria, e ampliar as sugestões para qualquer filme que eu sinta que vale a pena sugerir aos amigos seguidores.

Um pouco antes de ir em férias. Eu recebi a notificação de novo vídeo de um canal que sigo: “os franceses tomam banho”. Original o nome, não? 😊 Trata-se de um canal com dicas da língua francesa que é super agradável de assistir e divertido. O canal do YouTube é produzido por uma francesa simpática que vive no Brasil. Então, no vídeo que recebi há dicas de filmes, de bandas, etc… E, porque eu também estou nos primeiros passos do estudo da língua francesa fui conferir uma das dicas, as dos filmes.

A dica é o filme “Je ne suis pas un homme facile”.  Tive sorte e encontrei-o na Netflix com o título em inglês “I am not an easy man”, mas ao executá-lo o áudio estava francês. A legenda foi em francês para forçar a minha cabecinha a aprender.

Gente, não há filme mais atual para a realidade dramática que se apresenta no Brasil. E não só, infelizmente! É a primeira produção da francesa Eleanor Pourriat, que conta com a perfeita atuação (minha opinião) de Vincent Elbaz (Damien) e Marie-Sophie Ferdane (Alexandra). E, sinceramente, achei a abordagem do tema sobre discriminação e desigualdade de gênero, através de uma comédia, simplesmente, genial.

Eu não vou contar o que se passa no filme, mas no início do filme é muito importante estar atento, para poder perceber as cenas que virão a seguir. Acontecerá algo no início do filme, que irá criar um mundo paralelo, na verdade, um mundo invertido. Os homens passarão a ter o papel que nós mulheres temos na sociedade, e nós mulheres passaremos a ter o papel dos homens. Faz tempo que não dou gargalhadas durante um filme, e até confusa fiquei sobre quem era quem, afinal. 😊 Eu assisti com meu filho mais velho de 15 anos, e rimos os dois juntos. 😊 Eu fiquei preocupada para não ter nenhuma cena mais… vocês sabem! 😉 Teve! (risos) Só que o filme estava tão bem concebido e divertido que não houve constrangimentos na sala. E, ele até ajudou-me a perceber algumas cenas, porque o papel foi tão bem trocado, que me atrapalhei. E, depois eu dizia: ah… é mesmo, tens razão! (risos) Que coisa, o meu filho já sabe mais do que o ensinei! Rsrsrs

Vamos deixar de conversas, e vamos ver o trailer (legenda em inglês), ok? E se conseguirem assistir ao filme, venham trocar ideias aqui, que eu ficarei feliz por debater o filme. Ahhh…o fim do filme é surpreendente!!!

 

Até o próximo post! 😉