Tyne Cot, para não esquecer

O cemitério Tyne Cot em Zonnebeke (Bélgica), próximo a Ieper (aqui), é o maior cemitério britânico e das ex-colônias inglesas no mundo, “Commonwealth War Graves Commission” (CWGC). Estão sepultados 12000 mil soldados da Primeira Guerra Mundial. Mais de 8300 soldados nunca foram identificados. Eles morreram em batalhas em torno da cidade de Ieper (Bélgica)  entre 1914 e 1918, mas a maioria deles perderam a vida na 3a. Batalha de Ieper ou Batalha de Passendale, em 1917. 

IMG_20191230_145148996_BURST000_COVER_TOP

 

No monumento que se encontra no cemitério Tyne Cot estão gravados os nomes de 35 mil soldados britânicos e neozelandêses que morreram, quase todos, entre agosto de 1917 e novembro de 1918, e que não se conhece onde ficaram sepultados no campo de batalha.

IMG_20191230_145248091_HDR

IMG_20191230_150115024_HDR

IMG_20191230_145743375_HDR

 

Os túmulos pertences a soldados judeus possuem sobre a lápide algumas pedrinhas, uma tradição judaica.

IMG_20191230_150857419_HDR

IMG_20191230_150207490_HDR

 

Dos 205 mil soldados do Reino Britânico na Primeira Guerra Mundial que foram recordados na Bélgica, aproximadamente metade não foi conhecido o local de sepultamento. Os corpos deles nunca foram achados ou identificados. Muitos deles têm escrito na campa “Known Unto God“.

IMG_20191230_145351025_HDR

Em alguns túmlos estão sepultados mais de um corpo.

IMG_20191230_151352135_HDR
6 corpos sepultados

Não podemos esquecê-los! Não podemos deixar que volte a acontecer!

IMG_20191230_151146981
Papoilas (simbólicas) que surgiram sob o campo de batalha

Até ao próximo post!

Aventura em Ieper (Guest Post – Miguel)

Hoje, o Miau do Leão tem um Guest Post, e é o meu filho Miguel, de 11 anos. Ele adora História, e recentemente foi com sua escola SJKS (Bélgica) à cidade de Ieper, na Bélgica.

Num dia de Sol fui em visita com a minha turma do 6º ano à cidade Ieper.
Ieper é muito conhecida devido à sua história na Primeira Guerra Mundial. Inicialmente, vamos contar como é que a Primeira Guerra começou. Em 1914, no Império Austro-húngaro, na cidade de Sarajevo, na Bósnia. O líder do Império foi visitar a cidade. Dois estudantes sérvios decidiram matar o líder Frans Ferdinand. Um deles atira uma bomba, mas não acertou o carro do líder, mas sim um outro carro de oficiais. O líder foi ao hospital para visitar os oficiais magoados e quando retornou fez uma curva errada e foi atingido pelo segundo terrorista. O Império Austro-húngaro ficou muito zangado com a Sérvia e enviou uma lista de sanções. A Sérvia não aceitou e o Império Austro-húngaro declarou guerra à Sérvia. O Império Austro-húngaro é amigo do Império Alemão. E a Sérvia, da Rússia. E a Rússia, da França. E a Inglaterra, amiga da França, mas entrou na guerra após alguns meses.

A Alemanha tinha um plano. Passar a trincheira entre a Alemanha e a França, mas a França tinha muitos forts na fronteira entre os dois países. Então, decidiram ir pela Bélgica, a escolha terrível! Porque queriam passar mais de 750 mil tropas para pegar Paris, mas a Bélgica disse que não podiam passar. Assim, a Alemanha declarou guerra à Bélgica. E a Bélgica era bastante forte, lutaram e atrasaram os alemães. A Inglaterra ficou zangada com a Alemanha por atacar um país pequeno como a Bélgica. E, a Inglaterra ajudou os belgas, a Batalha de Leuven. E, aqui é que começa a Bélgica a entrar na história da Primeira Guerra Mundial.

Os cidadãos belgas estavam a fugir apara a Holanda, que era neutra. E, os alemães não queriam isso. Então, construíram um muro de fios elétricos para as pessoas não passarem. E, haviam pessoas especializadas a passar a fronteira para enviar correspondências militares.

Na Primeira Guerra Mundial, a forma de lutar mudou. Antes, a cavalaria era boa. Na Primeira Guerra isso mudou, porque haviam metralhadoras que matavam uma cavalaria em poucos minutos. Então, usavam cavalos para puxar canhões.

Fomos a um museu chamado Flandes Field que contém uniformes, armas e muitas informações. Depois fomos ao cemitério dos ingleses, Tyne Cot. Este cemitério é muito grande com pedras brancas e uma cruz grande no meio com uma espada preta. Depois fomos a um cemitério alemão chamado Vladslo, em que em cada pedra deitada há em volta de trinta nomes e o cemitério é muito escuro com duas estátuas a mostrar que os alemães também tinham amor.

Em 1915, as tropas da Alemanha empurraram as tropas belgas até Ieper e a Bélgica tinha que fazer algo para se proteger. Abriu a barragem do rio Ijzer para transbordar os campos onde estavam os alemães. E, os alemães que estavam antes em Ieper usaram pela primeira vez o gás tóxico Iperite que queima a pele.

Depois fomos visitar a trincheira dos belgas ao lado do rio Ijzer, que não estava feita com material real da Primeira Guerra, mas com cimento.

E, assim, terminou a nossa visita de estudos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Chegada à Ieper
PA190333.JPG
Vestuário alemão
PA190337.JPG
Canhão
PA190341.JPG
Metralhadora
PA190346.JPG
Metralhadora
PA190349.JPG
Tank gewehr
PA190350.JPG
Morteiro
PA190353.JPG
Pistola
PA190354.JPG
Pistola e utensílios
PA190371.JPG
Medalhas
PA190374.JPG
Medalhas
PA190376.JPG
Bala de artilharia
PA190378.JPG
Roupas dos ingleses
PA190386.JPG
Menepoorte
PA190389.JPG
Soldados Ingleses que morreram
PA190391.JPG
Ao lado da Menepoort
PA190407.JPG
Medalha
PA190416.JPG
Cemitério inglês Tyne Cot
PA190424.JPG
Cemitério inglês Tyne Cot
PA190425.JPG
Cemitério inglês Tyne Cot
PA190432.JPG
Cemitério alemão Vladslo
PA190435.JPG
Cemitério alemão Vladslo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tot ziens ! 🙂