[TAG]Confissões de um Bibliófilo

Já fui indicada algumas vezes para responder Tagś, mas sempre fugi de respondê-las. Primeiro, porque não gosto muito de falar diretamente sobre mim, segundo porque acho que foge um pouco a ideia do blog. No entanto, o Gabriel do blog Resumo de Livro indicou-me para esa tag, e resolvi fugir à regra e responder a esta pela simpatia de quem indicou.

  1. Qual o gênero de literatura que você se mantém longe?
    Como quem me indicou, também não gosto de romances melosos.
  2. Qual é o livro que você tem na estante e tem vergonha de não ter lido?
    Não é o meu caso. Ainda bem.
  3. Qual é o seu pior hábito enquanto leitor?
    Viver com intensidade os personagens e sofrer com eles.
  4. Você costuma ler a sinopse antes de ler o livro?
    Algumas vezes, mas nem sempre corresponde à realidade da leitura.
  5. Qual é o livro mais caro da sua estante?
    Contos de Tchékhov, vol I e II
  6. Você compra livros usados / em sebo ?
    Por  viver a pouco tempo fora de um país de língua portuguesa não tenho ido a sebos ou mesmo livrarias. Tenho apenas buscado por e-books.
  7. Qual é a sua livraria (física) preferida?
    Bem, fora do Brasil é a FNAC. No Brasil é a livraria Cultura.
  8. Qual é a sua livraria online preferida ?
    Wook.
  9. Você tem um orçamento (mensal) para comprar livros ?
    Não tenho.
  10. Quem você “tagueia”?
    Todos que estiverem a ler este post são convidados, mas como tenho que indicar mesmo alguém, então vai a Gi Longo do Blog Prateleira de Vidro, a MariaJoão83 do Blog Tout Va Bien, e o anisioluiz2008 do Blog O Lado Escuro da Lua. Ice Paradise foi indicada pelo Gabriel.

É isso. Tot ziens! 🙂

 

 

Anúncios

A Desumanização, o livro

Mais um livro do Valter Hugo Mãe que li. Uma história triste que se passa num país pouco badalado nas notícias, a Islândia. Entre fiordes surge a história de Halldora que perdeu a sua irmã gémea (Sigridur), e que passou a ser conhecida como a “menos morta”. E a sua irmã gémea é a criança plantada. Durante a leitura vamos conhecer um pouco dos personagens que a cercam.
É um livro diferente dos demais livros deste autor português. Um livro com uma sublime nuvem poética em que o autor nos leva a saborear o belo e a tristeza, em histórias do passado e do presente dos personagens.
Este livro não é apenas uma história poética, é também uma coletânea de cultura islandesa. Há, durante o desenvolvimento desta história, referências à culinária, à música, à literatura, e ainda descrição da paisagem islandesa, que nos deixa curioso por conhecer este país que pouco se fala, que pouco se conhece, além da estupenda música de Björk.
A minha frase escolhida é muito forte, e retrata bem o sentimento da narradora desta história (Halldora):

“… Talvez valesse a pena a morte. Estaria do outro lado, sossegadamente, liberta de tanta incapacidade para ser feliz.”
pág. 101, versão e-book

Tot ziens! 🙂