Os espigueiros de Soajo, Portugal

A vila de Soajo, na região do Minho, não é só natureza. Por lá, também podemos admirar uma estrutura característica desta região, os espigueiros. Semelhante estrutura é encontrada também na região da Galiza (Espanha), e há relatos de sua presença também na Noruega e Suécia.

Espigueiros em Soajo próximos a uma escola primária

Os espigueiros são estruturas em pedra e madeira com a função de secar o milho. Possuem alguma elevação como forma de se proteger dos roedores. Costumam se localizar em zonas onde o terreno é mais elevado para permitir uma melhor secagem das espigas, principalmente no inverno, através das fendas laterais. 

Os espigueiros são além de tudo verdadeiras obras de arte popular com uma forte simbologia religiosa observada pela existência de uma cruz para proteção do elemento que constituirá o pão que alimentará a mesa de muitas famílias.

Segue o blog no Instagram (o_miau_do_leao), Twitter(@omiaudoleao) e Facebook.
Até ao próximo post!

Caminhos do pão e da fé, em Soajo (Portugal)

Mais um hiking em terras portuguesas. Desta vez, a vila de Soajo (Nov/2020) foi escolhida para seguir o percurso longo do conhecido caminhos do pão e da fé (Wikiloc). Há um caminho curto e outro longo. A caminhada  não foi difícil, seguindo calçadas razoavelmente conservadas, caminhos em terra e um curto trecho em estrada estreita.

brandas pastorícias

A natureza à volta convidava a seguir cada vez mais, tendo a companhia das vacas cachenas e ovelhas a pastarem.

Um percurso com séculos de história, passagem de vidas peregrinas movidas pela fé, sinais do cultivo do milho, da moagem do grão para o fabrico do pão, que foi um elemento de sobrevivência de gerações naquelas terras ao redor, a criação do gado com as brandas pastorícias.

antigo moinho

As levadas (canais de irrigação) estão sempre presentes nos percursos curto e longo dos caminhos do pão e da fé. Eram usadas para o regadio dos campos de cultivo, e para movimento dos moinhos que transformavam o grão na farinha.

levada (canal de irrigação)

Um percurso agradável de ser feito e que me fez relembrar uma das minhas primeiras memórias vividas em Portugal, conhecer e plantar um diospireiro (caqui). Também foi inesquecível o meu encontro frente a frente com uma vaca cachena, espécie típica de Portugal e Galiza (Espanha).

Um pouco desses momentos estão no vídeo (56 seg) que fiz. Vem comigo!

Até ao próximo post!
Segue-me também no Instagram, Twitter e Facebook. 🙂

Subir a Serra Amarela em Gêres (Portugal)

Parecia que o hiking seria fácil, apenas 10,9 km e o máximo de 946 m de elevação.  O dia estava lindo. O percurso foi escolhido utilizando a app Wikiloc: Serra Amarela – Ermida + Bilhares + Martinguine + Viduak.

A cada curva a natureza revelava todo o seu encanto, e a trilha sonora era o som de pequenas cachoeiras.

Até que se chegou à Branda de Bilhares. O que parecia ter sido uma pequena aldeia que vivia do pastoreio e cultivo, sobretudo no Verão.

Pelo caminho ainda avistamos várias cachoeiras. A água era bastante fresca. E a subida seguiu em bom ritmo.

Até que alcançamos o topo da trilha escolhida. Por algum tempo exploramos os pequenos detalhes da natureza. Não podíamos passar muito tempo. O pôr do Sol era por trás de uma colina e começava a arrefecer. Tínhamos que ser rápidos. 

Em princípio uma descida era para ser fácil, mas na prática não foi isso que aconteceu. O caminho revelou uma vegetação não indicada no aplicativo. Muitos degraus em pedra que à medida que se aproximava do riacho tornavam-se escorregadios. Erramos o caminho, sofremos com a vegetação cerrada do caminho errado. Já pensávamos em passar a noite por ali, molhados até ao joelho devido a travessia do riacho que não era necessária. Não seria prudente. Seguimos. Logo veio a noite, os celulares se aproximavam do fim da bateria.

O meu silêncio na volta foi notado pelo meu filho mais velho que passou a caminhar colado a mim. A sua sensibilidade tinha razão. Era um mal sinal que eu emitia sobre o meu limite mental. A condição física estava boa, mas a mental sofria. 

antes da descer a Serra Amarela

Reencontrar Bilhares foi um alívio.  Faltava “pouco”. O céu à noite era lindo. Na Bélgica não vejo a beleza de tantas estrelas e constelações.

Cada momento era precioso, e assim, na descida não houve fotos. Apenas um vídeo caseiro às escuras. Já no caminho correto e sem obstáculos, essa foto foi o único registro. Uma respeitosa salamandra que atravessava o caminho.

E o vídeo que fiz da subida…

Até ao próximo post!

Ermida, uma pacata aldeia

A aldeia Ermida está localizada no Parque Nacional Peneda-Gêres (Portugal), rodeada de natureza, cascatas e pastos. Para se chegar até a aldeia é preciso percorrer as curvas estreitas da serra com cautela, pois também pode se deparar com um pequeno rebanho de ovelhas.

Já bem próximo de se chegar à aldeia avista-se ao longo da estrada pequenas cachoeiras. É lindo e reconfortante. 

O mais interessante é que essa aldeia portuguesa vive em regime comunitário. O povo reúne-se para decidir os problemas da pequena aldeia, bem como juntos revivem tradições antigas como a pastorícia. Cada família contribui para a limpeza dos caminhos por onde passa o gado. O miradouro foi construído graças a contribuição dos moradores. 

Caminhei numa manhã  por suas ruas estreitas ainda com marcas no chão da passagem de algum gado e observei a existência de pouca população e avistei apenas 3 crianças, de uma das casas ouvia-se o som de uma rádio portuguesa. Também avistei alguns espigueiros em pedra que eram utilizados para secar o milho. Não há mercado, nem restaurante, nem padaria. Algum comércio só a cerca de 4 km. Assim é a pacata aldeia de Ermida.

espigueiro
espigueiro

Aqui o curto vídeo que fiz…

Até ao próximo post!

A beleza na simplicidade

Por todos os caminhos que andei na região do Alto Minho encontrei esta flor que com sua simplicidade alegrava a trilha. Seu nome é açafrão-bravo (crocus serotinus).
Esta espécie surge durante as primeiras chuvas do Outono Ibérico em terrenos secos e pedregosos.
Sem dúvida, a felicidade está na beleza das pequenas coisas.

açafrão-bravo
açafrão-bravo
açafrão-bravo

Até ao próximo post!

Alto Minho, Portugal

Seguindo do Porto para a pequena e sossegada aldeia de Ermida (Parque Nacional da Peneda-Gêres), pouco mais de uma hora, já me tinha esquecido de como era viajar sentindo o agradável cheiro de eucalipto. 

Chegámos à noite na aldeia, e só na manhã do dia seguinte foi possível vislumbrar a natureza à volta e ouvir o chocalho do gado.

Ermida
Ermida

Em próximos posts contarei como foram as duas caminhadas (hiking) que realizei com a família, em Ermida (10,9 km) e Soajo (5,81 km), durante o chamado Verão de São Martinho, quando no Outono ocorre uma pausa, e o Sol e calor retornam por uns dias para aquecer o São Martinho (11 de Novembro). É o momento da tradição de saborear as castanhas portuguesas com jeropiga, água-pé, ou ginjinha, mas acompanhei com um bom moscatel de Setúbal.

Foi agradável voltar a saborear alguns pratos da culinária portuguesa e o vinho verde da região, mesmo que em take away devido a situação preocupante com a segunda onda da pandemia.

Tripas à Moda do Porto
Francesinha

E ainda mais a contar, … esse meu inesquecível encontro frente a frente. Vem comigo!

Até ao próximo post!

Monsaraz, uma bela vila portuguesa

Monsaraz, uma das mais belas vilas de Portugal, aliás até o seu nome é de uma bela sonoridade, “Monsaraz”.

De lá é possível avistar terras espanholas e uma parte da paisagem do Alentejo. Uma região de vinho e azeite de qualidade. Uma vila que é um museu a céu aberto. Suas casas caiadas em branco é outro charme, suas ruas e vielas são de pura paixão. Estrategicamente situada foi palco de batalhas entre o primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques contra espanhóis e mouros. Hoje suas ruas abrigam a calmaria interrompida apenas pelos passos dos turistas. Linda, Monsaraz!

Antes de chegar lá, foi momento de conhecer o Cromeleque do Xerez. São menires dispostos em círculo com cerca de 5000 anos antes da nova era, estando associados ao culto dos astros e da natureza, sendo considerado um local de rituais religiosos e de encontro tribal.

IMG_20200222_113432387
cromeleque do xerez

IMG_20200222_113749270
ao fundo o convento da orada

IMG_20200222_114708056_HDR
talvez um menir de sacrificio

IMG_20200222_123136108_HDR
uma das entradas para a vila de Monsaraz

IMG_20200222_123459598_HDR
já dentro das muralhas que cerca a vila

IMG_20200222_124045600
pelourinho

IMG_20200222_124340617_HDR
uma rua central

IMG_20200222_141018557_HDR
rua em Monsaraz

IMG_20200222_141347373_HDR
à direita prédio da Universidade de Évora

IMG_20200222_141605851_HDR
comércio de artesanato local

IMG_20200222_141747003_HDR
rua de Monsaraz

IMG_20200222_142018415_HDR
Monsaraz é inspiração

IMG_20200222_143458731
museu judaico

IMG_20200222_143703952_HDR
vista da paisagem do Alentejo

IMG_20200222_145058327_HDR
ruínas do castelo transformada em praça de touros

IMG_20200222_145220046
vista de Monsaraz

IMG_20200222_145417181
ao fundo, terras espanholas

IMG_20200222_150011791_HDR
ruína do antigo castelo

E agora, o vídeo que fiz…

Até ao próximo post! 😉

Évora, ama-se ou odeia-se

Corre pelas ruas da literatura que Vergílio Ferreira foi quem melhor compreendeu e escreveu sobre o modo de ser e estar eborense.

Vivi 12 anos em Évora, e não compreendi. Uma das primeiras frases que ouvi sobre a cidade foi: Évora, ama-se ou odeia-se. Depois do susto de ouvi-la. Exercitei o amar e o odiar. Não consegui nem uma coisa nem outra. Retorno, após 5 anos, a este cantinho do Alentejo, de Portugal. Lá lembrei de Florbela Espanca, poetisa alentejana, que viveu pouco tempo, mas intensamente. Arrepiei-me… Évora!

Évora! Ruas ermas sob os céus
Cor de violetas roxas… Ruas frades
Pedindo em triste penitência a Deus
Que nos perdoe as míseras vaidades!

Tenho corrido em vão tantas cidades!
E só aqui recordo os beijos teus,
E só aqui eu sinto que são meus
Os sonhos que sonhei noutras idades!

Évora!… O teu olhar… o teu perfil…
Tua boca sinuosa, um mês de Abril
Que o coração no peito me alvoroça!

…Em cada viela o vulto dum fantasma…
E a minha alma soturna escuta e pasma…
E sente-se passar menina e moça…

Florbela Espanca

IMG_20200221_070040191
Um dos prédios da Universidade de Évora

IMG_20200221_070054698
Amanhecer em Évora

IMG_20200221_171840844_HDR
Igreja de São João Evangelista também conhecida como Igreja dos Lóios

IMG_20200221_171953273
Museu de Évora

IMG_20200221_172004521_HDR
Templo Romano de Évora

IMG_20200221_172220068
Biblioteca Pública de Évora

IMG_20200221_172251193_HDR
Pousada dos Lóios

IMG_20200221_172824536_HDR
Vista da cidade sob um dos parques da cidade

IMG_20200221_171529897_HDR
Pátio interior da Pousada dos Lóios

IMG_20200221_145441425
Corredor da Pousada dos Lóios

IMG_20200221_145423609
Antiga cela do Convento dos Lóios, hoje quarto de  hóspedes. Todo recuperado após o terremoto de 1755.

Évora é uma cidade com muitas atrações históricas e culturais. Estas imagens foi uma pequena pincelada diante da pintura que é a cidade.

Até ao próximo post! 😉

Comer em Lisboa

Numa viagem de “bate ponto” em que o objetivo não era o turismo até que vimos bastante de Lisboa. Não sendo uma viagem de turismo não estivemos com muitas exigências para comer. Mesmo assim deu para matar saudades de um dos meus pratos preferidos da culinária portuguesa a “Alheira à Mirandela“. Optamos por almoçar no prático e rápido, no shopping do Chiado. E, decidimos por uma casa de refeições que é uma rede que está em várias cidades do país, o Pateo.

A minha alheira estava muito tímida e ficou meio que escondida pelo ovo. 🙂 Já o lombo de bacalhau à lagareiro não tinha vergonha nenhuma. 🙂

IMG_20180111_125843502
Alheira à Mirandela

IMG_20180111_125356066.jpg
Lombo de bacalhau à lagareiro

Tot ziens! 😉

 

Um dia em Lisboa

Poucos dias depois da viagem à Londres, em janeiro, precisamos fazer uma viagem “bate ponto” de um dia à Lisboa, e ficamos com toda a tarde livre. Estava um lindo dia e Lisboa continua linda.

Encontramos uma Lisboa tranquila, limpa e com mais cores. Sua arquitetura que nos é familiar, suas ruas e rotundas de história. Encontrei uma novidade para mim: o centro turístico está invadido de tuk tuk. 😊

Foi uma viagem que me fez alguma confusão, e eu contei aqui no Baú Aberto 4. Ouvir uma língua tão facilmente entrar pelos ouvidos em todo o lado, a todo momento, foi uma sensação estranha.

Pouco tempo, mas o suficiente para matar saudade de um dos meus pratos preferidos: Alheira à Mirandela. Para ver e saborear a riqueza da pastelaria tradicional portuguesa, um orgulho de seu povo. Deu tempo até de ter uma conversinha com o Fernando Pessoa em frente ao Café A Brasileira e de piscar para a Ginjinha. Ainda aqueci o estômago, o coração e as mãos com as castanhas portuguesas e comprei um novo chapéu de cozinha bordado com o meu nome.

Lisboa é isso: um toque familiar.

Vem comigo vê-la em imagens…

IMG_20180111_113853753_HDR.jpg
Avenida da Liberdade

IMG_20180111_113816994_HDR.jpg
Rotunda Marquês de Pombal, cenário de comemorações

IMG_20180111_114119988_HDR.jpg
IMG_20180111_115415001_HDR.jpg
IMG_20180111_115420542_HDR

IMG_20180111_115841040_HDR

IMG_20180111_115856869_HDR.jpg
IMG_20180111_115949367_HDR.jpg

IMG_20180111_120117320_HDR.jpg

IMG_20180111_120427925_HDR

IMG_20180111_120720761

IMG_20180111_121010422.jpg

IMG_20180111_121539187_HDR.jpg

IMG_20180111_121944646.jpg

IMG_20180111_122012544.jpg

IMG_20180111_123319598.jpg
Fernando Pessoa

IMG_20180111_133919566.jpg

IMG_20180111_134256036.jpg

IMG_20180111_134611746

IMG_20180111_140122571.jpg

IMG_20180111_140823210.jpg

IMG_20180111_141715312.jpg
Castelo de São Jorge no alto

IMG_20180111_142114858.jpg

IMG_20180111_142820950_HDR.jpg

IMG_20180111_151117965.jpg
Ainda haviam castanhas portuguesas quentinhas, obaaaaa!

IMG_20180111_151402425_HDR.jpg
Elevador de Santa Justa

IMG_20180111_144655457.jpg
Meu chapéu bordado

Tot ziens! 😉