Calais, uma gracinha

Após visita ao Cabo do Nariz Branco (Cap Blanc-Nez)seguiu-se a cidade de Calais. Mais recentemente conhecida por ter tido um grande acampamento de refugiados, que tentavam seguir para Inglaterra. Bem como, por ser uma das rotas mais escolhidas para travessia de ferry.

IMG_20191229_131534456_HDR

Foram poucas as atrações conhecidas, mas que deixaram uma impressão positiva da cidade. O primeiro ponto turístico foi o prédio da prefeitura. Um dos mais bonitos que já conheci. O parque em frente à prefeitura estava com uma decoração de Natal de temática infantil com música, e em seu centro a estátua em cobre de Rodin, os burgueses (Les bourgeois de Calais). 

IMG_20191229_132110231_HDR

Era 30 de dezembro de 2019, aproveitei para fazer o último quadro “vai mãe, vai!” do ano.

IMG_20191229_132854681_HDR

Em seguida foi a vez de conhecer o monumento em homenagem a Charles de Gaulle e Wiston Churchill caminhando para a reconstrução da França no parque Richelieu.

IMG_20191229_164607724_HDR

IMG_20191229_164647711_HDR

Calais surpreendeu. E não podia faltar em meus posts de viagens a culinária local. Almoçamos no L’Hovercraft. E foi onde conheci o Welsh, um prato tradicional no norte da França, que lembra muito “a francesinha” (Porto, Portugal). Existem mais de 10 combinações deste prato. Sendo que também há uma versão doce. Até então, só conhecia Welsh a língua galesa. 

IMG_20191229_141612842
Escargots com manteiga de especiarias
IMG_20191229_143319129
Welsh Hovercraft com batata frita e cerveja belga
Welsh Doce

E o filme que fiz, vem comigo! 😉

Até ao próximo post! 😉

Os Fantásticos Livros Voadores do Sr. Morris Leesmore, o curta metragem

The fantastic flying books of Mr. Morris Leesmore foi o vencedor do Oscar para animação em 2012.

A história transmite uma relação entre literatura e cinema. A importância do ato de ler ganha vida nesse curta, e também é capaz de devolver a alegria de viver a alguém.

Vem conhecer o Sr. Morris Leesmore, que se transformará num mentor em magia dos livros.

Até ao próximo post! 😉

Clarice Lispector XXIV

images
Mais duas crônicas escritas por Clarice Lispector para o Jornal do Brasil. Nessas crônicas, ela escrevia um pouco sobre sua vida e sobre o que pensava. Segue um resumo delas…

 


Brincar de pensar

Clarice Lispector refletia sobre pensar como modo de se divertir. E para esse jogo, convida-se os amigos para uma visita de pensar junto, no disfarce das palavras. Pensar a fundo só sozinho.

Pensar como divertimento há poucos riscos. É o “animus brincandi”, um hobby. Por exemplo, fazer uma lista de sentimentos dos quais não se sabe o nome. Essa brincadeira de “brincar de pensar” pode virar o jogo, e o brinquedo é que passa a brincar conosco.

 

Brain Storm

Uma chuva de várias ideias possíveis nesta crônica:

  • ” A loucura é vizinha da mais cruel sensatez”.
  • “A vida é mortal”.
  • “Se desse a loucura da fraqueza, que diriam as pessoas às outras?”
  • “A pior cegueira é a dos que não sabem que estão cegos”.
  • “Só posso escrever se estiver livre, e livre de censura, senão sucumbo”.
  • “O futuro da tecnologia ameaça destruir tudo o que é humano no homem, mas a tecnologia não atinge a loucura: e nela então o humano do homem se refugia”.
  • “Quantas mentiras sou obrigada a dar”.
  • “A lua é, como diria, Paul Éluard, éclatante de silence”.
  • “É preciso ter coragem para fazer um brain storm: nunca se sabe o que pode vir e nos assustar”.

 

Até ao próximo post! 😉

Cabo do Nariz Branco, França

Cap Blanc-Nez. Recebe esse nome devido suas falésias de giz, que refletem beleza, e que nos faz pensar na importância da paz. Situa-se próximo a Calais (cidade francesa). Uma área que transborda história da 2a. guerra mundial. Era este local que os nazistas pensavam que a tropa aliada realizaria a grande operação chamada Dia D. Não foi. A tropa aliada desembarcou na Normandia, bem mais a sudoeste, e venceu a guerra. 

IMG_20191229_123932216_HDR

Todo o espaço à volta é propício para realizar caminhadas enquanto se observa todo o vai e vem dos ferrys em direção à vizinha Inglaterra, possível de ser avistada. Fazia muito vento, e o frio fazia-se sentir em intensidade. Observar a formação das nuvens foi um espetáculo à parte. E avistar daquele ponto a aldeia de Escalles, deixando o desejo de retornar em melhores condições climáticas.

IMG_20191229_122257897_HDR

IMG_20191229_123544631_HDR

IMG_20191229_124307046_HDR
Escalles

Há um estacionamento gratuito próximo ao caminho do Cabo do Nariz Branco. Depois é só seguir a trilha indicada e apreciar toda a paisagem, que ainda aparenta as marcas de intensos bombardeios. É de arrepiar imaginar tudo que possa ter acontecido.

IMG_20191229_121539736_HDR

IMG_20191229_122237951_HDR

E aqui vai o filme que encontra-se no canal O Miau do Leão no YouTuBe…

Até ao próximo post! 😉

Cozinha Geek, o livro

livro

Cozinha Geek
Ciência real, ótimos truques e boa comida
Jeff Potter


Encontrei esse livro na Internet por acaso, em 2019. Gosto de culinária, e não foi com esforço que fui atraída pelo título do livro não muito comum e com muitas variantes da cozinha em sua capa.

O livro traz um pouco de química na culinária, dicas, truques, entrevistas, e claro, receitas. Um livro em que a parte inicial fez-me dar algumas gargalhadas. Um livro de culinária com todos esses “ingredientes” e divertido, talvez seja raro.

Imagino o McGyver (sim, aquele dos anos 80) na cozinha com esse livro. Por que? Bem, quem assistiu a série televisiva americana, perceberá que a ideia era reconhecer um objeto como capaz de servir para outras funções, assim também é vivida a culinária, indo além do ato de generosidade e da busca pelo saudável.

Já os cozinheiros são divididos em diferentes categorias: cozinheiro generoso, cozinheiro saudável, cozinheiro metódico, cozinheiro inovador, cozinheiro competitivo. Sinto que me encaixo bem no grupo dos generosos, bem como no dos metódicos.

Na culinária, segundo o livro, os cozinheiros têm a reputação de serem intuitivos, já os confeiteiros de precisos. O que seria comum a ambos é a percepção do processo interativo. E saberem que é preciso esperar que não dê certo na primeira tentativa, e seguir, repetindo e repetindo. Sendo que na confeitaria, as tolerâncias ao erro são mínimas.

O livro classifica a culinária tanto uma arte quanto uma ciência. E compara as receitas a simples anotações, como uma partitura ou um roteiro. Um chef sabe que as receitas “não são reproduções exatas do trabalho original; elas são lembretes de combinações, proporções e etapas.”

Muito antigamente, as receitas eram constituídas de poucas linhas. Hoje podemos encontrar toda a explicação para a execução de uma receita em vídeo, ao poder da mão. O que, em minha opinião, não houve mudança, é que no passado como no presente, o que é válido na preparação de uma refeição é a diversão do ato e aproveitar o momento, construindo a sua experiência na cozinha, e sempre com um toque de paixão.

Boa leitura e bom apetite!

Até ao próximo post! 😉

Bolsas de estudo para Holanda

São 27 universidades holandesas que oferecem cursos de graduação, mestrado ou MBA em inglês com bolsas de até 50 mil euros. O programa chama-se Orange Tulip Scholarships Brazil (OTS) e é especialmente voltado para estudantes brasileiros. O prazo de inscrição varia entre as universidades participantes, no entanto segue o alerta de que se encerram entre fevereiro e maio de 2020. Os cursos são na área de Artes, Ciências Biológicas e Saúde, Exatas, Tecnológicas e Humanas.

Você conhece alguém interressado? Então, segue o link para mais informações:
https://www.nesobrazil.org/bolsas-de-estudo/orange-tulip-scholarship/information-in-english/ManualOTSBrazil20192020.pdf

Até ao próximo post! 😉

 

Parcialmente nublado, o curta metragem

A Pixar em Partly Cloudy mostra o trabalho conjunto entre uma nuvem e uma cegonha, que são encarregadas de levar os bebês aos seus respectivos pais. Do trabalho surge uma amizade sincera, capaz de aceitar seus defeitos e virtudes.

Um boa dica para as crianças e um divertimento para adultos.

Até ao próximo post! 😉