Sinfonia da Ciência

Você conhece a Sinfonia da Ciência

SOS-flare-logo
É uma série  de mescla musical e visual (maschup), ou seja, transformações de conteúdos originais, criada pelo compositor e cineasta Melodysheep, que visa espalhar  ciência e filosofia  através de remixes de pensadores científicos proeminentes, como está explicado no website: https://www.symphonyofscience.com/

Escolhi uma dessas composições: The Poetry of Reality (A poesia da realidade). Esta maschup conta com a participação de 12 cientistas e entusiastas de ciências (Michael  Shermer, Jacob Bronowski, Carl Sagan, Neil deGrasse Tydon, Richard Dawkins, Jill Tarter, Lawrence Krauss, Richard Feynman, Brian Greene, Stephen Hawking, Carolyn Porco e PZ Myers. Vale a pena estar atento a letra desta composição.

Encontrarás mais Sinfonia da Ciência  também  no canal do Melodysheep no YouTube.

Até ao próximo post!

O que é amor

Paul Éluard (1895-1952), poeta francês surrealista, escreveu sobre a liberdade, sobre a guerra, … e sobre o amor.

 Anna Karina recita poema de Paul Éluard no filme Alphaville (1965) de Jean Paul Godard.

E o amor era o mais puro sentimento, apesar de uma vida marcada pela doença, pela infidelidade,  pela traição,  pela depressão, era o amor que brotava da boca do coração de Paul Éluard, capaz de revelar “o que é amor“, publicado no livro “A capital da dor” (1926).

Sua voz, seus olhos,
Suas mãos, seus lábios.
Nosso silêncio, nossas palavras.
A luz que vai embora, a luz que volta.
Um único sorriso entre nós.
Por necessidade de saber,
Vi a noite criar o dia,
Sem que mudássemos de aparência.
Oh, bem-amado de todos,
E bem-amado de um só!
Em silêncio, sua boca prometeu ser feliz.
Cada vez mais longe, diz o ódio.
Cada vez mais perto, diz o amor.
Uma carícia leva-nos da nossa infância
Cada vez que vejo a forma humana
Como um diálogo de amantes.
O coração tem uma única boca.
Tudo por acaso.
Todas as palavras ditas inesperadamente.
Os sentimentos à deriva.
Os homens vagueiam pela cidade.
Um olhar, uma palavra
Porque eu te amo
Tudo está em movimento
Basta avançar, para viver,
Seguir adiante em direção aqueles que você ama.
Fui em sua direção, sem parar na direção da luz
Se você sorrir, é para melhor me envolver
Os raios dos seus braços entreabriram a névoa.

Segue este bela homenagem à Anna Karina, com imagens do filme Vivre Sa Vie (1962), de Jean-Luc Godard, e o amor na belíssima música de HanteQue Reste​-​t​-​il de notre amour ?.

Até ao próximo post!

 

Maanlicht, Bazart

Eu já falei dessa banda de Antuérpia (aqui). É uma das poucas bandas da Bélgica que gosto de quase tudo que produzem.

Eles estão fazendo sucesso este ano com Maanlicht (Luar). O início da música soa algo diferente do que o grupo costuma produzir, e lembra o antigo grupo do vocalista, o “Warhola”. Só o início mesmo, porque depois da batida, a identidade do Bazart vem com toda força sobre uma letra poética e cheia de metáforas. Bazart: “Chegará um momento em que você terá que ir. No entanto, ficarei aqui sem o Sol. Aqui ao luar.”

O Bazart canta em holandês, ou melhor, em flamengo. É um pouco como comparar o inglês da Inglaterra e dos EUA. No mundo da música não há fronteiras, vale muito o sentimento, e o vídeo ajuda muito a sentir a música numa língua pouco falada.  Ritmo sensual, vídeo igualmente sensual.

Até ao próximo post! 😉

Angèle

Angèle (Angéle Van Laeken), belga, é a nova sensação da música cantada em francês. Ela venceu, recentemente, 3 prêmios MIA’s – Music Industry Awards 2020 (Bélgica) e um prêmio no Franse Grammy Awards 2020.

A jovem de 24 anos conseguiu colocar várias músicas no top parede. Uma delas foi “Tout Oublier”, em parceria com seu irmão, o rapper Roméo Elvis.

A sua música parece inocente e sem nenhum propósito, mas ao visualizar os vídeos de suas músicas, então tudo passa a ter sentido, e de uma forma divertida traz alguns temas polêmicos.. É o caso do vídeo da música “Oui ou Non”, que é uma crítica ao sentimento de felicidade que as publicidades tentam passar.

Até ao próximo post! 😉

Étienne Daho

etienne.jpegFaz tempo que não escrevo nesta caixa “artistas” do blog. Em princípio, a intenção era trazer artistas nascidos aqui na Bélgica, no entanto vou fugir a esta regra inicial e trazer uma música do francês, nascido na Argélia, Étienne Daho, cantada em francês, que é uma das línguas oficiais no país.

Fim de ano é um período que traz “saudade”. Daí, lembrei da música “Saudade” (1991) do Étienne Daho, que vem com uma interpretação musical a qual eu costumo dizer que é uma viagem de sensualidade.

Saudade, uma palavra linda em qualquer pronúncia. 

Bom fim de semana com SAUDADE e até ao próximo post! 😉

Eurovisão 2019, a final

E o vencedor deste ano foi a Holanda, com a música Arcade, interpretada por Duncan Laurence. Era um dos meus favoritos, mas também gostei da Itália, da Suécia, da Noruega, da França, do Chipre, da Grécia, do Azerbaijão, da Islândia. Infelizmente, não deu para a Bélgica e nem Portugal chegarem à final.

 

Quando o metal da Islândia recebeu os muitos pontos da votação por telefone comemorou com uma bandeira da Palestina. Aqui vai o vídeo do que aconteceu a seguir e as câmeras oficiais não mostraram.

Até ao próximo post! 😉

Eurovisão 2019

Debaixo de muita polêmica e possibilidade de boicote por alguns países participantes acontecerá o Festival Eurovisão da Canção de 2019 e que será a 64.ª edição anual do evento. O Festival será realizado de 14 a 18 de maio e pela terceira vez em Israel depois de Netta Barzilai ter ganho a edição anterior em Lisboa com a canção Toy. A cidade de Tel Aviv será a sede do evento pela primeira vez.

Eliot Vassamillet será o representante belga com a música Wake Up. A música ainda não caiu no gosto do público belga. Sinceramente, acho que a Bélgica não terá bom desempenho este ano, aliás foi o que aconteceu no ano passado.

Quem deve surpreender com sua música e apresentação é o representante de Portugal, Conan Osíris, com o tema Telemóveis.

Vamos vê-los a seguir e dê a sua opinião nos comentários.

Até ao próximo post ! 😉

Matthias Schoenaerts

 

downloadÉ um ator belga, da região flamenga, com atuações em diversos países e em várias línguas.

Atuou em Ferrugem e osso (De rouille et d’os, 2012), em A garota dinamarquesa (The Danish Girl, 2015) e este ano vem com o lançamento The Mustang, com produção de Robert Redford.

Em Ferrugem e Osso ganhou o César de ator revelação. Eu assisti a essa produção franco-belga e recomendo para quem gosta do estilo “drama”. O enredo é sobre um amor imprevisível sobre dificuldades físicas e morais.

Vamos vê-lo abaixo em De rouille et d’os e The mustang:

Até ao próximo post! 😉

Selah Suh em Antuérpia

Sabe quando você está na expectativa de um acontecimento, e quando chega o dia, aquela expectativa vai abaixo, no entanto neste mesmo dia, e para este mesmo acontecimento, outras coisas positivas acontecem que você não estava à espera, … ? Foi o que aconteceu comigo ao ir a este show durante a semana passada.

Algum tempo eu queria muito ir ao show da Selah Sue, uma jovem cantora belga, com muita potência de voz e que já falei aqui no blog (Selah Sue). E eu também fiz uma apresentação nas aulas de holandês sobre um projeto nas escolas daqui, que esta cantora dá a sua imagem e a sua vivência quanto à depressão. E, finalmente, aconteceu! Já mais de um mês que os ingressos estavam comprados, porém eu vi alguns curtos vídeos deste show em países vizinhos, e fiquei com a sensação de que não ia gostar do formato do show. Ainda dei a sugestão de tentar vender os ingressos, mas eles vieram personalizados. Poderia resultar em alguma dificuldade. 😊 Tenho de rir!

Resolvemos enfrentar a ida até Antuérpia. Apesar de ficar a 20 min de casa, mas vale sair, pelo menos, 2 horas antes, se for de carro. Era um dia útil e o trânsito é sempre enorme, a procura por estacionamento é outra batalha. Fomos por um caminho alternativo, mais longo, mas só mesmo para entrar na cidade é que pegamos congestionamento para um túnel. Chegamos com 40 min de antecedência para abrir o portão do recinto e achamos vaga no estacionamento gratuito do parque. Sim, para a minha surpresa o show era num recinto fechado num parque que eu não conhecia (parte boa do show). Rsrsrs

Fomos andando pela alameda principal do parque que é enorme com uma grande quinta, com pistas para as crianças aprenderem os sinais de trânsito, campos de futebol, etc. Não deu para conhecer todo o parque. Pegamos um atalho para chegar até à concha acústica. O que valeu a noite! 😊 O parque chama-se Provinciaal Domein Rivierenhof.

IMG_20180808_185409141.jpg
Um atalho dentro do parque até chegar na concha acústica

Chegando ao recinto, tudo muito organizado, um público que para minha surpresa abrangia várias idades. Ao entrar, uma oferta de comida diferenciada em relação a outros shows, com almondegas de lentilhas, nachos com guacamole, batata doce fritas, e até peixe. Abriram os portões para a área de show, e entregaram umas almofadinhas para sentar nos bancos da concha acústica. Sentamos na 2ª fila, pois nunca imaginávamos que ficaria superlotado com pessoas em pé junto ao palco. ☹ Como eles são altos! Rsrsrs

IMG_20180808_203958541.jpg
Esinam

A abertura foi com uma artista belga com origem no Gana, Esinam. Só deu para uma foto de qualidade do show de abertura. Pontualmente às 21:30hs, entra a Selah Sue, e no palco já estavam dois músicos. E aconteceu o que eu temia. O show não estava no meu agrado. Rsrsrs Minha família foi paciente comigo, pois sabiam do meu desejo em ir ao show, mas só não levantei por educação. Ok, o show estava impecavelmente correto, tecnicamente falando, mas estava um tédio. Eu bocejei! Rsrsrs. Quando terminou o show, e naquele momento que o artista sempre retorna, melhorou. Selah Sue voltou ao palco sozinha com um violão, e cantou 3 músicas a pedidos da plateia.

IMG_20180808_213624617.jpg
Selah Sue

Durante o show passei a fazer leituras das pessoas, e li pessoas satisfeitas e outras que pareciam estar como eu. Havia um jovem casal apaixonado que saiu antes do término do show. Diverti-me com o humor característico do meu filho mais velho em que detalhes da cena são ditas com muita seriedade com um fundo de graça. Adorei o ambiente até o recinto do show, apesar de alguns poucos mosquitos. Gostei da diversidade da plateia, e de que muitos foram de bicicleta.  Achei a oferta de culinária deliciosa e original. No entanto, eu não gostei do show, e não houve vontade para muitas fotos e filmes. Eu poderia mudar o título do post para “crônica de um show T”, T de tédio. Acontece. Fica um pedacinho do finalzinho do show em vídeo, a seguir.

Até ao próximo post! 😉

Geike Arnaert

Faz tempo que não escrevo para esta categoria do Blog, Artistas. Por ser uma das minhas categorias preferidas, só escrevo quando tenho inspiração para falar de algo interessante.

É assim foi o que aconteceu. Faz tempo que eu queria saber sobre Geike Arnaert. Quem é Geike Arnaert ? É uma cantora nascida na região flamenga da Bélgica (38 anos), mas que a conheço como a melhor vocalista que a banda Hooverphonic já teve.

download.jpg

Ela iniciou no Hooverphonic quando ainda tinha 17 anos, assim como a atual vocalista do grupo. Geike ficou na banda pouco mais de 10 anos. As músicas que mais gosto desta banda são todas cantada por ela. Ela deixou a banda para seguir carreira solo. A jovem começou a ter opiniões musicais diferentes dos outros 2 integrantes do grupo, mas também dizem que aqueles que ela considerava como irmãos passaram a vê-la como mais do que uma irmã, e o convívio entre as viagens começou a ficar delicado.

Dois anos após deixar a banda, ela trabalhou na trilha sonora de um filme, Breath. Em 2011 lançou seu álbum solo “For The Beauty Of Confusion”. Depois deste álbum, Geike é vista cantando algumas músicas com outros artistas.

Tudo isso para dizer que, finalmente, tive notícias da Geike Arnaert. Ela canta uma música com um grupo holandês chamado BlØf, e é um grande sucesso aqui na Bélgica. É sempre interessante deixar a rivalidade, que há entre flamengos da Bélgica e holandeses para apreciar bons momentos de ambos.

A música chama-se Zoutelande.  É o nome de uma aldeia na costa holandesa, não muito longe da praia do meu último post, Groende Strand. A música é cantada em holandês, mas observem a diferença da pronúncia holandesa que puxa na letra R e a pronúncia da cantora belga. Eles cantam sobre recordações de férias na praia em Zoutelande. O refrão da música foi repetido várias vezes pela seleção belga quando foi recepcionada pelo povo na praça central de Bruxelas (Grote Markt) pelo seu 3º lugar no Mundial. E diz: “Ik ben blij dat je hier bent”Eu estou contente que você está aqui. Tão simples e tão bonito, tão bom de ouvir. Não é? 😉

Segue o vídeo da música Zoutelande que está no top parade, e o vídeo de 2 músicas que mais gosto do Hooverphonic ainda com a Geike, que para mim foi a melhor vocalista até hoje da banda. Se você gostou das músicas, deixa um comentário. Obrigada! 🙂

Até um próximo post! 😉